Leia e descubra quais são as 7 maravilhas de Portugal!

De tudo o que pode visitar em Portugal, as 7 maravilhas de Portugal, eleitas pelo povo português em 2007, são sem dúvida dos sítios a não perder!

Depois de descobrir as 7 maravilhas de Portugal, vai encontrar 2 roteiros para visitar facilmente estes incríveis lugares numa ou duas semanas.

Eis as 7 maravilhas de Portugal:

1. Torre de Belém

A primeira das 7 maravilhas de Portugal a constar na nossa lista é a bonita Torre de Belém.

A construção da Torre de Belém (1514-1520) tinha como objetivo proteger Lisboa dos invasores. Com a evolução dos meios de ataque e defesa, a sua função defensiva foi-se perdendo.

A partir de 1580 foi usada como prisão política, e depois como telégrafo.

Quando foi construída, estava cercada pela água do rio Tejo mas, ao longo dos anos, a praia de Belém foi ganhando terreno e aproximou a torre da margem de Lisboa.

Atualmente, a torre é cercada por um lago artificial, forçando os visitantes a utilizar um passadiço para visitar o interior do monumento.

Informação: aproveite a sua visita à Torre de Belém para visitar o Padrão dos Descobrimentos. Do topo do monumento (56 metros), terá uma vista deslumbrante sobre a Ponte 25 de Abril, sobre a Torre de Belém, sobre o Mosteiro dos Jerónimos e sobre o rio Tejo.

2. Mosteiro dos Jerónimos

O Mosteiro dos Jerónimos é um dos mais belos monumentos de Portugal e, claro está, uma das 7 maravilhas de Portugal. A sua beleza permite-lhe ser o monumento mais visitado de Portugal com mais de 800 000 entradas por ano.

A construção do Mosteiro dos Jerónimos começou em 1502 a pedido do rei D. Manuel I e foi concluída um século mais tarde

Este monumento mostra a riqueza de Portugal na época das grandes descobertas e o papel pioneiro desempenhado pelos portugueses nos séculos XV e XVI, criando contactos, diálogos e intercâmbios entre diferentes culturas.

As despesas deste grande projeto de 300 metros de comprimento foram pagas por um imposto criado pelo rei, que consistia em tributar 5 % do ouro trazido da Guiné e das pedras preciosas que vinham da Índia.

O rei quis construir este mosteiro para perpetuar a memória do Infante D. Henrique e instalar o panteão para a sua dinastia.

Para ocupar o mosteiro, o rei escolheu os monges da Ordem de São Jerónimo (daí a designação Mosteiro dos Jerónimos) para orar por ele e para darem um conforto espiritual aos navegadores que partiam de Lisboa para conquistar o mundo.

Os monges da Ordem de São Jerónimo ocuparam o mosteiro durante mais de 300 anos, até 1834, data da extinção das ordens religiosas em Portugal.

Atualmente, pode visitar a maravilhosa igreja (entrada livre), o magnífico claustro, o refeitório e a sala de reunião dos monges.

Ao longo da sua visita, vai descobrir vários túmulos de reis, rainhas e grandes personalidades como o navegador português Vasco da Gama e os maiores poetas portugueses, Luís Vaz de Camões e Fernando Pessoa.

Informação: mesmo ao lado do Mosteiro dos Jerónimos vai encontrar a famosa pastelaria “Pastéis de Belém“, criada em 1837.

3. Palácio Nacional da Pena

No século XII, onde se ergue agora o Palácio Nacional da Pena, foi construída uma capela em honra de Nossa Senhora da Pena.

Em 1503, D. Manuel I (rei responsável pela construção do Mosteiro dos Jerónimos) mandou construir aqui um mosteiro que ofereceu à Ordem de São Jerónimo.

Os monges viveram nesse mosteiro até 1834, altura em que as ordens religiosas foram dissolvidas. Em 1838, o Rei D. Fernando II compra o mosteiro em muito mau estado, em grande parte devido ao grande terramoto que atingiu Lisboa e seus arredores em 1755.

Entre 1842 e 1854 o mosteiro foi reconstruído e tornou-se no “Palácio Novo“. Após a morte do rei D. Fernando II, em 1885, o palácio foi vendido ao Estado Português e usado até 1910 pelo rei D. Manuel II.

Com a revolução, o rei e a sua família fugiram para o estrangeiro e a Primeira República foi proclamada em Portugal.

Em 1911, o palácio mudou de nome e passou a chamar-se Palácio Nacional da Pena. A partir do mesmo ano abre as suas portas ao público como museu.

É o palácio mais visitado de Portugal e batalha com o Mosteiro dos Jerónimos pelo título de monumento mais visitado do país.

Informação: aproveite o facto de estar em Sintra para descobrir o seu centro histórico classificado pela UNESCO como Património Cultural da Humanidade.

4. Castelo de Óbidos

A construção do castelo de Óbidos começou em meados do primeiro século na época dos romanos, mas foi durante a ocupação árabe que se desenvolveu e que a fortaleza foi criada.

Em 1148, o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, conquistou a vila e o seu castelo aos mouros. Desde então, o castelo foi reparado e ampliado várias vezes.

O terramoto de 1755 fez-se sentir com grande intensidade na vila, destruindo parte da fortaleza e edifícios da época medieval.

No século XX, o castelo caiu completamente em ruínas. O Estado Português decidiu renová-lo e instalar em 1950 uma pousada, a primeira a ser construída num edifício histórico.

Se quiser visitar o interior do castelo de Óbidos (link afiliado), vai ter de dormir lá pelo menos uma noite. Saiba que pode explorar o exterior do castelo e caminhar sobre a fortaleza que rodeia a vila. O percurso é de um quilómetro e meio.

Além do castelo, convido-o fortemente a visitar a vila, localizada no interior da fortaleza. A vila de Óbidos é muito turística, mas vale bem a pena visitá-la pois também contribuiu para que este monumento fosse eleito como uma das 7 maravilhas de Portugal. Vai poder caminhar num labirinto de ruas rodeadas por casas brancas decoradas com lindas flores.

Está à procura de um alojamento para dormir em Óbidos ou arredores? Clique aqui.

Informação: não deixe Óbidos sem beber uma ginjinha – um licor à base de cereja.

5. Mosteiro de Alcobaça

Depois de conquistar Santarém aos mouros, o rei D. Afonso Henriques mandou construir o mosteiro de Alcobaça como forma de agradecimento à Ordem de Cister pelo seu apoio.

A construção do mosteiro começou em 1178 seguindo o modelo da Abadia de Clairvaux, da Ordem de Cister em França, e foi concluída em 1252, ano da sua inauguração, pelo rei D. Dinis.

Em 1810, as tropas de Napoleão roubaram grande parte da riqueza do mosteiro e as que permaneceram foram roubadas em 1834, ano da extinção das ordens religiosas em Portugal.

Durante a sua visita, vai poder visitar o dormitório, a sala do capítulo, o refeitório, o claustro de D. Dinis, a incrível cozinha, o salão dos Reis e a igreja (parte gratuita).

Está à procura de um alojamento para dormir em Alcobaça ou arredores? Clique aqui.

Informação: se vai visitar o Mosteiro de Alcobaça, Batalha e o Convento de Cristo em Tomar, compre o bilhete combinado pois ficará mais barato.

6. Mosteiro da Batalha

O Mosteiro da Batalha é uma das mais belas obras da arquitetura portuguesa e europeia e merece, sem dúvida, o seu lugar como uma das 7 maravilhas de Portugal.

Após a vitória contra o Reino de Castela (uma região da atual Espanha) em Aljubarrota (1385), o rei D. João I decidiu construir este mosteiro para agradecer à Virgem Maria por ter vencido a batalha.

A construção começou em 1386 e foi concluída dois séculos depois, em 1517. O mosteiro foi doado à ordem dominicana que viveu lá até 1834, ano da extinção das ordens religiosas em Portugal.

Desde então, este magnífico monumento pertence ao Estado Português, que decidiu abri-lo ao público.

Está à procura de um alojamento para dormir na Batalha ou arredores? Clique aqui.

Informação: se vai visitar o Mosteiro de Alcobaça, Batalha e o Convento de Cristo em Tomar, compre o bilhete combinado pois ficará mais barato.

7. Castelo de Guimarães

Em meados do século X a Condessa Mumadona Dias mandou construir um Mosteiro. Com os constantes ataques por parte dos mouros, decidiu construir uma fortaleza para proteger os monges e a comunidade cristã que viviam em seu redor. Surge assim o primitivo Castelo de Guimarães.

No século XII, o Conde D. Henrique e Dona Teresa vieram viver para o Castelo de Guimarães e provavelmente aí terá nascido D. Afonso Henriques.

Perdida a sua função defensiva, o castelo entra num processo de abandono e degradação progressiva até ao século XX, altura em que é declarado Monumento Nacional e são efetuadas obras de restauro – este monumento é o mais antigo das 7 maravilhas de Portugal.

Informação: aproveite o facto de estar na cidade de Guimarães para descobrir o seu centro histórico classificado pela UNESCO como Património da Humanidade.

Como visitar as 7 maravilhas de Portugal?

Vai visitar Portugal durante 1 semana?

Aconselho-o a visitar Lisboa durante 3 dias, o que lhe permitirá descobrir a Torre de Belém e o Mosteiro dos Jerónimos.

Reserve o quarto dia para visitar a bela vila de Sintra e o Palácio Nacional da Pena. Para chegar até lá, apanhe o comboio na Estação do Rossio com direção a Sintra. A viagem demora apenas 45 minutos.

No quinto dia vá explorar o castelo e a vila de Óbidos, o Mosteiro de Alcobaça e o Mosteiro da Batalha. Para chegar até lá, tem 3 opções:

Comboio: para visitar Óbidos, tem uma estação localizada a 1 km do centro histórico. Mas a estação mais próxima de Alcobaça e da Batalha está localizada a +/- 10 km. Terá portanto que apanhar um táxi da estação de Valado até Alcobaça, depois de Alcobaça até à Batalha e da Batalha até à Estação Ferroviária de Valado.

A viagem de Lisboa demora cerca de 3 horas e custa à volta de 20 € ida e volta por pessoa (sem contar o táxi).

Alugar um carro: se estiver a viajar com a sua família ou com amigos (4-5 pessoas), recomendo que alugue um carro (ou leve o seu se viver em Portugal) – Óbidos, o Mosteiro de Alcobaça e o Mosteiro da Batalha que ficam a menos de 125 km de Lisboa.

Excursões: se viajar sozinho ou com outra pessoa, convido-o a fazer uma excursão privada de um dia a partir do seu hotel em Lisboa até Óbidos, ao Mosteiro de Alcobaça e ao Mosteiro da Batalha. O passeio com um guia local dura 8 horas e custa cerca de 120 € por pessoa. Clique aqui para obter mais informações.

Reserve o sexto dia para ver o que você não teve tempo de descobrir em Lisboa, ou vá visitar a bela cidade de Évora de comboio.

Reserve o seu sétimo dia para a viagem de volta a casa.

Vai visitar Portugal durante 2 semanas?

Comece as suas férias com uma visita a Lisboa e fique na capital portuguesa durante 4 dias. No dia seguinte vá até Sintra e reserve o sexto dia para visitar a linda vila de Óbidos, o Mosteiro de Alcobaça e o Mosteiro da Batalha.

Depois de ter visitado Lisboa e Sintra terá várias opções para os próximos dias:

Se alugou ou tem um carro:

Visite Óbidos, Alcobaça e Batalha no sexto dia.

No sétimo dia visite Coimbra.

No oitavo dia visite Aveiro de manhã e de tarde vá até Guimarães para visitar a sétima maravilha portuguesa, o Castelo de Guimarães, e o centro histórico.

No nono dia visite Braga e depois vá até ao Porto. Entregue o carro alugado e explore esta cidade durante 2 dias.

Se viajar de comboio:

Depois de ter visitado Lisboa e Sintra, faça uma excursão privada para visitar Óbidos, Alcobaça e Batalha.

No sétimo dia vá de comboio de Lisboa até Coimbra. No dia a seguir vá até ao Porto.

Depois de ter visitado o Porto durante 2 dias, vá visitar Guimarães de comboio. O trajeto demora 1h e não é caro.

Nos 2 dias seguintes pode ir visitar Braga e Aveiro de comboio, o trajeto e o custo é idêntico ao de Guimarães.

Este roteiro é de 12 dias; no 13º dia pode visitar o que ainda não viu no Porto ou pode ir descobrir a região do Douro. Reserve o dia 14 e 15 para o trajeto para sua casa.

Onde estão as 7 maravilhas de Portugal?

Vai visitar as 7 maravilhas de Portugal? Não hesite em reservar o seu hotel ou o seu carro passando pelos links aqui em baixo. Vai-me permitir continuar a oferecer-lhe gratuitamente dicas e guias para visitar Portugal. Obrigado!

Reserve aqui o seu Hotel  Reserve aqui o seu carro

Também lhe vai interessar:

  • 7 maravilhas de portugal
  • maravilhas de portugal
  • as sete maravilhas de portugal
  • o que visitar em mira
  • as 7 maravilhas de portugal

Sobre Tiago

Tiago 30 anos de idade, parisiense desde os 12 anos, decidi partir para a aventura e realizar o meu sonho : conhecer o nosso país de uma ponta à outra. Acho que se não conhecemos as nossas origens não nos podemos conhecer realmente. Leia mais aqui