Informação: se já leu este artigo, vá diretamente para a seção “Coronavírus (Covid-19) em Portugal: ponto de situação” para obter as atualizações mais recentes.

Gostaria de não ter de escrever este artigo, mas sim falar sobre as maravilhas de Portugal ou dar-lhe conselhos de viagem, mas estamos a viver uma situação dramática (que a minha geração e a dos meus pais nunca conheceram), que torna impossível continuar a nossa vida como se nada estivesse a acontecer…

O vírus tomou conta da Europa com uma força incrível e o nosso continente tornou-se o epicentro desta guerra.

Até ao momento em que escrevi este artigo, ainda não tínhamos alcançado o pico de contaminação (previsto para abril), o que significa que o pior ainda está para vir.

Sei que desde o início nos disseram que o vírus é apenas uma gripe, mas as consequências serão muito piores que a gripe sazonal…

Embora 80 % da população que contrair o coronavírus (covid-19) tenha apenas sintomas leves (febre, tosse) como a gripe, é provável que casos mais graves morram por causa do vírus, falta de vagas em hospitais e equipamentos (por exemplo, ventiladores pulmonares).

Para se ter uma ideia do problema, há 3 camas hospitalares por 1000 habitantes em Portugal e esse número diminui um pouco mais quando falamos de cuidados intensivos.

Haverá casos cada vez mais graves e, se não fizermos nada, os médicos terão que escolher entre aqueles que tratam e aqueles que deixam morrer (foi o que aconteceu na Itália…).

O objetivo das medidas tomadas pelo nosso governo é evitar um grande número de casos de uma só vez, para que o pico de casos seja o mais baixo possível e que ganhemos tempo até as temperaturas começarem a subir (esperando que este vírus seja semelhante ao da gripe sazonal) e que seja encontrada uma vacina contra o Covid-19.

Pela primeira vez, nós, europeus, devemos ser responsáveis ​​e disciplinados, para que esta crise dure o menos possível.

Segundo alguns cientistas, o pico da pandemia ocorrerá entre meados e final de abril (pelo menos em Portugal), mas essas previsões são válidas apenas se seguirmos as instruções!

Na melhor das hipóteses, essa situação vai durar até maio e pode continuar se não mudarmos os nossos hábitos. Mesmo que não tenha medo deste vírus, pense em pessoas frágeis como os seus pais, avós, tios e tias.

Além desta crise de saúde, se hesitar em seguir as instruções, pensar no seu trabalho ou na sua empresa, porque se isto se prolongar, então enfrentaremos uma crise nunca antes vista!

Para acompanhar as estatísticas do coronavírus por país, clique aqui.

Coronavírus (Covid-19) em Portugal: ponto de situação

Vou colocar as instruções do governo português abaixo e, assim que elas mudarem, atualizo-as.

Adicione este artigo aos seus favoritos para ter as informações mais recentes sobre o progresso desta epidemia em Portugal.

Terça-feira, 30 de junho de 2020: Novas regras a partir de quarta-feira, 1 de julho

Portugal entrará, a partir de 1 de julho, numa nova fase que dividirá o país em três situações diferentes.

O estado de alerta (o mais baixo desde o início da pandemia) será aplicado em todo o continente (falarei das ilhas mais abaixo), exceto na região metropolitana de Lisboa.

Como aproximadamente 80 % dos novos casos positivos de covid-19 estão na área metropolitana de Lisboa, esta foi colocada em estado de contingência (um pouco mais grave que o estado de alerta).

Nesta região, 19 freguesias dos municípios da Amadora, Odivelas, Sintra, Loures e Lisboa passaram a um estado de calamidade (logo abaixo do estado de emergência).

Aqui estão as regras a respeitar em Portugal continental (região de Lisboa abaixo): Estado de alerta

  • Confinamento obrigatório para qualquer pessoa com covid-19
  • Obrigação de respeitar o distanciamento social (1,5 metros no mínimo), usando uma máscara em locais fechados, como lojas (estas são as mesmas regras desde o início de junho)
  • Proibição de reuniões com mais de 20 pessoas
  • Proibição de consumir álcool na via pública (rua, jardins, etc.). Pode fazer isso nas esplanadas, restaurantes.
  • O não cumprimento destas regras será punido com multas que podem variar de 100 a 500 euros (pessoas) ou de 1000 a 5000 euros (empresas).

Regras na região metropolitana de Lisboa:

  • Encerramento dos comércios às 20:00, com a exceção dos restaurantes, nos super e hipermercados (22h), bombas de gasolina, clínicas, consultórios médicos, veterinários, farmácias, agências funerárias e equipamentos desportivos
  • Proibição de reuniões com mais de 10 pessoas
  • Proibição de consumir álcool na via pública (rua, jardins, etc.). Pode fazer isso nas esplanadas, restaurantes.
  • O não cumprimento destas regras será punido com multas que podem variar de 100 a 500 euros (pessoas) ou de 1000 a 5000 euros (empresas).

Regras nas 19 freguesias dos 5 municípios acima mencionados:

  • Dever cívico de ficar em casa (saindo apenas para trabalhar, fazer compras, etc.)
  • Feiras e mercados são proibidos
  • Proibição de reuniões com mais de 5 pessoas
  • As pessoas com coronavírus serão monitoradas para garantir que cumprem a quarentena obrigatória
  • Proibição de consumir álcool na via pública
  • O não cumprimento destas regras será punido com multas que podem variar de 100 a 500 euros (pessoas) ou de 1000 a 5000 euros (empresas).

Informação: as 19 freguesias situam-se nos arredores de Lisboa (ver mapa em baixo)

Fonte

A cada 15 dias, o governo português fará um balanço e decidirá novas regras para os próximos 15 dias (as regras podem ser mantidas, relaxadas ou reforçadas).

Regras a serem respeitadas por quem visita Portugal:

Para todos os que vêm visitar Portugal (estas regras também são válidas para quem mora em Portugal), saiba que é obrigatório o uso de máscara em todos os locais fechados (restaurantes, centros comerciais, lojas, museus, etc.) e devemos respeitar a distância social entre pessoas que não fazem parte do nosso grupo de amigos ou familiares.

Usar uma máscara não é obrigatório na rua, nos jardins públicos, mas não se esqueça de respeitar o distanciamento social.

No restaurante, as mesas estão afastadas umas das outras e poderá remover a sua máscara apenas quando estiver sentado à mesa.

Para aceder às praias neste verão, o distanciamento social deve ser respeitado. Para cumprir esta regra, na entrada de cada praia, haverá semáforos ou bandeiras para informar se a praia pode acomodar pessoas (verde ou amarelo) ou se a capacidade máxima já foi atingida (vermelho).

Se o sinal ou a bandeira estiverem vermelhos, será necessário procurar outra praia para relaxar um pouco.

Para informações ao vivo, convido-o a baixar a aplicação “Info Praia” no seu smartphone Android ou IOS (aplicativo em português ou inglês).

Informação: todos os locais turísticos (museus, monumentos, etc.), empresas de aluguer de carros, hotéis e restaurantes estão abertos ao público.

A partir de 1 de julho, as fronteiras portuguesas serão novamente abertas com a Espanha, o que significa que, se não morar em Portugal, pode visitar o país de carro (além do avião) a partir de outro país.

Ao vir para Portugal, não precisará de ficar em quarentena. Se vier de avião, será solicitado que preencha um documento com os seus dados de contacto para ser contactado no caso de um passageiro estar infetado pelo covid-19.

Casos especiais dos arquipélagos da Madeira e dos Açores: são as mesmas regras de quando este artigo foi atualizado em 15 de junho.

Colocarei aqui o mesmo texto para que todas as informações sejam facilmente acessíveis:

Todos aqueles que desejarem descobrir este pequeno paraíso português devem:

Preencher e enviar um questionário epidemiológico entre 48 e 12 horas antes da partida.

Submeter-se a um controle térmico assim que chegar ao arquipélago.

Fazer um teste com resultado negativo realizado até 72 horas antes da hora de chegada ou fazer um teste gratuito na chegada ao aeroporto (tempo necessário: 1 hora). O resultado será entregue daí a 12 horas. Durante esse período, o viajante não precisa de ficar confinado, mas deve respeitar o distanciamento social e o uso de uma máscara (regras válidas para além das 12 horas).

Todos os passageiros serão monitorizados por meio de uma aplicação móvel (voluntariamente) ou por telefone.

No caso de um teste positivo para a covid-19, o viajante será encaminhado para um hotel e os seus contactos diretos estarão sujeitos a confinamento obrigatório. O governo da Madeira cobre os custos de tratamento, alojamento e refeições.

Para evitar qualquer problema, o viajante é aconselhado a ter um seguro de viagem que cubra o repatriamento, caso isso seja necessário.

Saiba que pode viajar entre as ilhas da Madeira e Porto Santo sem ter de repetir o teste à covid-19.

Esta informação vem do Turismo da Madeira. Convido-o a ler o artigo completo aqui.

Arquipélago dos Açores:

Para entrar neste belo arquipélago, precisará de:

Fazer um teste com resultado negativo até 72 horas antes da hora de chegada ou fazer um teste gratuito na chegada ao aeroporto. O resultado será entregue daí a 12 horas. Durante esse período, o viajante é obrigado a fazer uma quarentena em sua casa ou num hotel.

Seis dias após o primeiro teste (realizado no seu país / em Portugal continental ou após a sua chegada aos Açores), terá que fazer um novo teste ao covid-19 (teste gratuito).

Como em todo o resto de Portugal, é obrigatório usar máscara e respeitar o distanciamento social.

No caso de um teste com resultado positivo, deve ser realizada uma quarentena obrigatória até que 2 testes consecutivos tenham resultado negativo.

Se tiver um destino final, por exemplo, a Ilha Terceira, e chegar à Ilha de São Miguel, terá que aguardar o resultado do teste antes de se poder dirigir ao seu destino final.

Se fizer um teste negativo no seu país / em Portugal continental, poderá fazer voos entre ilhas sem problemas.

Todas estas regras também se aplicam aos viajantes que chegam aos Açores de barco (veleiro, navios de cruzeiro, etc.).

Informação: saiba que os passageiros vão poder fazer testes em Portugal continental antes da viagem para os Açores. Leia mais informações aqui.

Se planeia visitar os Açores, leia este artigo no site oficial do governo dos Açores para obter todos os detalhes.

Informações importantes para viajantes que vivem fora da União Europeia e que desejam visitar Portugal:

A partir de 1 de julho, Portugal seguirá os novos padrões de segurança da União Europeia. Isso significa que, se vier de um país como o Brasil, EUA, precisará de trazer um teste negativo à covid-19.

Aqui estão os 15 países dos quais os viajantes podem visitar a União Europeia, incluindo Portugal sem fazer o teste covid-19:

Canadá, Argélia, Austrália, Coreia do Sul, Japão, Geórgia, Marrocos, Montenegro, Nova Zelândia, Ruanda, Sérvia, Tailândia, Tunísia e Uruguai. Fonte.

Números:

Desde a última atualização (23 de junho), houve 28 mortes de pessoas infetadas pelo coronavírus, o que representa uma média de 4 mortes por dia durante os últimos 7 dias.

Há 489 pessoas hospitalizadas (+48 em comparação com 23 de junho) e 71 pessoas em cuidados intensivos (-1 pessoa em comparação com 23 de junho).

O número de novos casos por dia é, em média, de 311 pessoas (era de 385 em 23 de junho), a maioria localizada na região de Lisboa, como mencionado acima.

Opinião pessoal: Portugal, o governo e os portugueses levaram um soco na barriga…

Em meados de abril, muitos jornais estrangeiros elogiaram o tratamento da crise em Portugal. Eles até falaram sobre um milagre português!

Como eu disse na altura (veja a atualização deste artigo em 17 de abril abaixo), nunca houve um milagre português, o país simplesmente tomou medidas de contenção muito cedo, à medida que a pandemia progredia.

No momento em que escrevo estas linhas, Portugal é apresentado por alguns jornais estrangeiros como um dos piores exemplos europeus, logo atrás da Suécia, que nunca teve um confinamento rigoroso.

Estes artigos são baseados no número de novos casos diários da covid-19 que alguns países estão a manipular…

Como disse na atualização anterior, Portugal é o 8º país do mundo com mais testes por mil habitantes, o que naturalmente aumenta o número de casos.

Alguns países europeus fazem muito poucos testes, o que diminui o número de casos oficiais e outros não hesitam em esconder por vários dias mais de 1200 mortos (como a Espanha) para tentar atrair competições como a Liga dos Campeões de Futebol que será disputada em Lisboa neste verão.

Com a pandemia, com a crise que se instalou em vários países (incluindo Portugal), a competição entre os países para atrair investimentos e turistas é enorme e algumas pessoas / países não hesitam em usar qualquer tipo de estratégia…

Se deseja visitar Portugal, mas está com medo por causa do coronavírus, convido-o a comparar vários parâmetros, como o número de mortes por milhão de habitantes, o número de mortes por dia e o número de pessoas hospitalizadas. Para comparar, pode usar o site Worldometers.info.

Como sabe, sou apaixonado pelo meu país, tenho um amor incondicional por Portugal, mas não estou pronto a tudo para convencê-lo a vir visitar Portugal!

Os métodos que alguns jornais e países estão a usar revoltam-me, porque sei que o objetivo não é dizer a verdade aos seus concidadãos, mas manipular os números para obedecer a certos interesses económicos.

E assim vai o mundo!

Terça-feira, 23 de junho de 2020: o governo português endurece o tom!

Como mencionei na última atualização deste artigo, mais de 80 % dos novos casos de pessoas infectadas com coronavírus estão concentrados na região de Lisboa.

Por várias semanas, os testes ao covid-19 multiplicaram-se para detetar todos os infetados.

Informação: Portugal é atualmente o 8º país do mundo que mais realiza testes (110,27 testes por 1000 habitantes – fonte).

Infelizmente, o número de casos nessa região não diminuiu por vários dias devido, em grande parte, ao não cumprimento das normas de segurança.

Havia pessoas que continuavam a trabalhar sabendo que estavam infetadas, outras frequentavam festas particulares, reuniões públicas de dezenas e às vezes centenas de pessoas.

Para impedir que os esforços de uma grande maioria da população sejam em vão, o governo decidiu adotar novas medidas que estão em vigor a partir de hoje na região de Lisboa (municípios de Lisboa, Sintra, Amadora, Odivelas e Loures):

  • São proibidas reuniões de mais de 10 pessoas em espaços públicos, com multas de até 350 euros e prisão de 1 ano. Saiba que, até agora, a polícia tem apenas dispersado a população.
  • Todos comércios ficam fechados a partir das 20:00, exceto restaurantes
  • Proibição de vender (áreas de serviço) e consumir bebidas alcoólicas em espaço público
  • Os centros comerciais deverão respeitar o número máximo de pessoas autorizadas por m2.
  • As pessoas infetadas serão monitorizadas e punidas se não cumprirem o confinamento obrigatório.
  • Todas as outras regras mencionadas na atualização de 15 de junho deste artigo estão em vigor no resto do país.

Desde 15 de junho, houve 23 mortes de pessoas infetadas com o coronavírus, o que representa uma média de 3,28 mortes por dia durante os últimos 7 dias.

Há 441 pessoas hospitalizadas (+22 em comparação com 15 de junho) e 72 pessoas em cuidados intensivos (-1 pessoa em comparação com 15 de junho).

O número de casos novos por dia é, em média, de 385 pessoas (era 300 em 15 de junho), a maioria localizada na região de Lisboa, como mencionado acima.

Sei que a pandemia já dura há vários meses e que muitas pessoas estão a ficar cansadas desta situação ou a pensar erradamente que a parte mais difícil já foi feita, mas se não respeitarmos as regras de segurança, como usar máscara e respeitar o distanciamento social, vamos retroceder 3 meses com o risco de um novo confinamento que ninguém quer…

Para mais informações sobre a sua visita a Portugal neste verão, convido-o a ler em baixo a atualização de 15 de junho.

Segunda-feira, 15 de junho de 2020: atualização da situação em Portugal

Desde a última atualização deste artigo (29 de maio de 2020), houve 148 mortes (1517 no total), o que representa uma média de 8,7 mortes por dia (essa média era de 14,48 em 29 de maio).

O número de pessoas hospitalizadas passou de 512 para 419 e de 65 para 73 nos cuidados intensivos.

Esses números mostram que a pandemia está sob controle e, acima de tudo, que o desconfinamento não causou um aumento acentuado no número de pacientes que necessitam de hospitalização.

Atualmente, existem em média 300 novos casos de pessoas infetadas pelo vírus (essa média era de 249,8 em 29 de maio), 90 % dos quais estão localizados na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Para conter a disseminação nessa região, o governo adiou a abertura de lojas com mais de 400 m2, como centros comerciais (que podem abrir a partir de hoje) e aumentou o número de testes para isolar as pessoas infetadas pelo coronavírus.

Muitos desses novos casos devem-se ao não cumprimento das regras de saúde (festas particulares, etc.) por uma parte da população.

Isso mostra que não devemos esquecer que este vírus não desapareceu e que devemos respeitar as novas regras de vida para não voltarmos ao ponto em que estávamos há três meses!

Para todos os que vêm visitar Portugal (estas regras também são válidas para quem mora em Portugal), saiba que é obrigatório o uso de máscara em todos os locais fechados (restaurantes, centros comerciais, lojas, museus, etc.) e devemos respeitar a distância social entre pessoas que não fazem parte do nosso grupo de amigos ou familiares.

No restaurante, as mesas estão afastadas umas das outras e poderá remover a sua máscara apenas quando estiver sentado à mesa.

Para aceder às praias neste verão, o distanciamento social deve ser respeitado. Para cumprir esta regra, na entrada de cada praia, haverá semáforos ou bandeiras para informar se a praia pode acomodar pessoas (verde ou amarelo) ou se a capacidade máxima já foi atingida (vermelho).

Se o sinal ou a bandeira estiverem vermelhos, será necessário procurar outra praia para relaxar um pouco.

Para informações ao vivo, convido-o a baixar a aplicação “Info Praia” no seu smartphone Android ou IOS (aplicativo em português ou inglês).

Como provavelmente saberá, desde hoje muitos países da União Europeia reabriram as suas fronteiras.

Portugal e Espanha continuarão com as fronteiras terrestres fechadas até 30 de junho.

Até ao final de junho, a única maneira de chegar a Portugal é de avião ou barco.

Não será necessário ficar de quarentena (veja abaixo, as exceções para os arquipélagos da Madeira e dos Açores) e saiba que pode circular livremente por todo o país.

A partir de 1 de julho, as fronteiras terrestres serão abertas novamente, o que significa que poderá vir a Portugal de carro, autocaravana, etc.

Caso especial dos arquipélagos da Madeira e dos Açores:

O arquipélago da Madeira (Madeira e Porto Santo) abre as suas portas ao turismo no dia 1 de julho.

Todos aqueles que desejarem descobrir este pequeno paraíso português devem:

  • Preencher e enviar um questionário epidemiológico entre 48 e 12 horas antes da partida.
  • Submeter-se a um controle térmico assim que chegar ao arquipélago.
  • Fazer um teste com resultado negativo realizado até 72 horas antes da hora de chegada ou fazer um teste gratuito na chegada ao aeroporto (tempo necessário: 1 hora). O resultado será entregue daí a 12 horas. Durante esse período, o viajante não precisa de ficar confinado, mas deve respeitar o distanciamento social e o uso de uma máscara (regras válidas para além das 12 horas).
  • Todos os passageiros serão monitorizados por meio de uma aplicação móvel (voluntariamente) ou por telefone.

No caso de um teste positivo para a covid-19, o viajante será encaminhado para um hotel e os seus contactos diretos estarão sujeitos a confinamento obrigatório. O governo da Madeira cobre os custos de tratamento, alojamento e refeições.

Para evitar qualquer problema, o viajante é aconselhado a ter um seguro de viagem que cubra o repatriamento, caso isso seja necessário.

Saiba que pode viajar entre as ilhas da Madeira e Porto Santo sem ter de repetir o teste à covid-19.

Esta informação vem do Turismo da Madeira. Convido-o a ler o artigo completo aqui.

Arquipélago dos Açores:

Para entrar neste belo arquipélago, precisará de:

Fazer um teste com resultado negativo até 72 horas antes da hora de chegada ou fazer um teste gratuito na chegada ao aeroporto. O resultado será entregue daí a 12 horas. Durante esse período, o viajante é obrigado a fazer uma quarentena em sua casa ou num hotel.

Seis dias após o primeiro teste (realizado no seu país / em Portugal continental ou após a sua chegada aos Açores), terá que fazer um novo teste ao covid-19 (teste gratuito).

Como em todo o resto de Portugal, é obrigatório usar máscara e respeitar o distanciamento social.

No caso de um teste com resultado positivo, deve ser realizada uma quarentena obrigatória até que 2 testes consecutivos tenham resultado negativo.

Se tiver um destino final, por exemplo, a Ilha Terceira, e chegar à Ilha de São Miguel, terá que aguardar o resultado do teste antes de se poder dirigir ao seu destino final.

Se fizer um teste negativo no seu país / em Portugal continental, poderá fazer voos entre ilhas sem problemas.

Todas estas regras também se aplicam aos viajantes que chegam aos Açores de barco (veleiro, navios de cruzeiro, etc.).

Informação: estas regras são válidas de 15 a 30 de junho. A partir de 1 de julho, as regras podem ser ajustadas dependendo da situação. Fonte.

Garantia Clean & Safe: como já mencionei neste artigo, o Turismo de Portugal criou o selo “Clean & Safe” que é dado a todas as empresas ligadas ao turismo (restaurantes, hotéis, etc.) que cumpram todas as normas de segurança recomendadas pelos especialistas portugueses em saúde pública.

O Turismo de Portugal criou um site com todas as empresas que possuem o selo. Depois de visitar uma empresa (hotel, restaurante, museu, etc.), digitando o seu nome na barra de pesquisa, poderá dar a sua opinião sobre o cumprimento das diretrizes de saúde e consultar todas as normas que o estabelecimento deve respeitar.

Informação: retomei o envio de emails aos subscritores para ajudá-los a visitar Portugal.

Se deseja receber os meus conselhos exclusivos para visitar Portugal, não hesite em deixar o seu email abaixo:

Sexta-feira, 29 de maio de 2020: balanço de 1 mês de desconfinamento + férias de verão

Há um mês, quando o desconfinamento foi anunciado, nunca pensei escrever o seguinte!

Após quase um mês (25 dias) de desconfinamento, a situação em Portugal melhorou significativamente, exatamente o oposto do que eu esperava.

No dia 1 de maio, quando anunciei neste artigo as novas regras de vida a partir de 4 de maio (início do desconfinamento), havia em Portugal 1007 mortes por coronavírus, 892 pessoas hospitalizadas e 154 em cuidados intensivos.

Até 28 de maio de 2020, ocorreram 1369 mortes e já só há 512 pessoas hospitalizadas e 65 pessoas em cuidados intensivos.

Em 25 dias, houve 362 mortes, uma média de 14,48 mortes por dia, uma média duas vezes menor do que em abril.

É verdade que são 362 mortes a mais, mas com o desconfinamento seria de esperar um número muito maior.

Os números mais interessantes dizem respeito aos doentes no hospital. Houve uma diminuição de 380 pessoas hospitalizadas e 89 pessoas em cuidados intensivos.

Em relação aos casos confirmados, existem atualmente (28 de maio de 2020) 31 596 pessoas infetadas, um aumento de 6245 pessoas (249,8 casos confirmados por dia). Fonte.

A boa notícia é que a população respeita (na grande maioria) o distanciamento social e usa máscara em locais fechados (lojas, trabalho, etc.).

O vírus não desapareceu de Portugal, mas a pandemia está nesta fase sob controlo. Os portugueses estão gradualmente a começar a ter uma vida normal (com novas regras de segurança) e com essas boas notícias, poderemos entrar na última fase de desconfinamento (a partir de 1 de junho) com a abertura de lojas com mais de 400 m2 (centros comerciais), bem como cinemas, teatros e salas de espetáculo (com um número limitado de lugares).

Esperemos que essas boas notícias continuem e que a população continue a respeitar as regras de segurança.

Férias de verão

Os países europeus estão a fazer acordos bilaterais para que entre julho e agosto, os cidadãos da União Europeia possam viajar e ir de férias para os países vizinhos.

O primeiro-ministro português, António Costa, publicou um tweet (depois de falar com o presidente francês Emmanuel Macron) a anunciar que os portugueses que moram em França poderão vir a Portugal nas férias e quando voltarem à França (de avião ou de carro) não precisarão de ficar em quarentena.

Convido-o a ler este artigo do Le Figaro, que explica a situação em detalhe (em francês).

Obviamente, esta medida também se aplica a todas as pessoas que vivem na França e que não têm nacionalidade portuguesa!

A mesma medida está a ser negociada entre Portugal e o Reino Unido, onde existe uma forte presença da comunidade portuguesa e de onde milhões de pessoas saem todos os anos para visitar Portugal.

Atualmente, Portugal não impõe uma quarentena obrigatória a pessoas que chegam do exterior (exceto nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, que possuem regras ligeiramente diferentes), o único risco era ao retornar ao país de origem.

Para quem não mora na França, convido-o a informar-se se o seu país de origem exige que faça uma quarentena ao voltar de férias do exterior. Se pretende visitar Portugal de carro, saiba que poderá fazê-lo a partir de 1 de julho, data em que a Espanha abrirá as suas fronteiras.

Devemos começar a reservar as nossas férias para o mês de julho ou agosto?

Quando atualizei este artigo pela última vez, recomendei que as pessoas fizessem a reserva apenas alguns dias antes da sua partida.

Nesta semana, depois de analisar os preços dos voos para os meses de julho e agosto, notei que eles eram duas vezes mais baratos que no mesmo período do ano passado. Por isso, reservei dois bilhetes para os meus pais para o mês de agosto de Paris para o Porto com a companhia aérea portuguesa TAP (link afiliado) por apenas 160 euros por pessoa.

Existe o risco de os voos serem cancelados? Sim, mas com todas as boas notícias e acordos entre países europeus, acho que o risco é mínimo, porque, na pior das hipóteses, terá um vale para novos voos e, acima de tudo, vale a pena correr alguns riscos pois esses voos são baratos.

Em relação a outras reservas, eis o que eu recomendo:

Alojamento: faça a sua reserva no Booking.com (link afiliado) com cancelamento gratuito e sem pré-pagamento (paga no dia da chegada); portanto, se o voo for cancelado, poderá cancelar a sua reserva sem custos até 48 horas antes da sua chegada.

Aluguer de carros: os preços para alugar carros (link afiliado) são um pouco mais baratos que o normal, mas a diferença não é grande. Pode iniciar a reserva, mas, ao contrário do alojamento, terá que pagar imediatamente e solicitar um reembolso 48 horas antes da sua chegada.

Como os valores a serem adiantados para o aluguer de carros são grandes (se você alugar um carro por mais de 7 dias), aconselho que espere um pouco e reserve alguns dias antes da sua partida (uma a duas semanas antes). As possibilidades são de que os preços subam um pouco, quanto mais perto estiver do período de férias, mas assim não ficará com esse dinheiro bloqueado.

É verdade que será reembolsado a 100 % até 48 horas antes da sua partida, mas os reembolsos podem demorar vários dias, sobretudo se houver um grande número de solicitações.

Atividades: como os preços não mudam de acordo com a procura, convido-o a reservar atividades com apenas 2-3 dias de antecedência.

Caso especial do arquipélago da Madeira e dos Açores:

Para poder entrar no arquipélago da Madeira, é preciso até 30 de junho que seja feito um teste para a covid-19 (com resultado negativo) no máximo 72 horas antes da sua chegada, caso contrário, deverá ficar em quarentena até que o resultado do teste realizado à sua chegada seja conhecido.

A partir de 1 de julho, quando descer do avião, fará um teste covid-19 e, depois de uma hora, terá o resultado. Se o resultado for negativo, poderá entrar no arquipélago da Madeira e visitar este pequeno paraíso sem restrições (respeitando as novas normas de segurança). Fonte.

Para sua informação, o arquipélago da Madeira teve apenas 90 casos de infeção por coronavírus e zero mortes!

Para poder entrar nos Açores, você tem 4 soluções:

1. Ter realizado um teste ao covid-19 com resultado negativo até 72 horas antes da sua chegada aos Açores

2. Fazer um teste ao covid-19 quando chegar aos Açores. Nesse caso, será necessário ficar em quarentena 1 ou 2 dias, o tempo necessário para apurar os resultados.

3. Realizar uma quarentena voluntária de 14 dias num hotel nos Açores (pago pelas entidades locais)

4. Se recusar as 3 soluções, terá que voltar ao seu país de origem. Fonte.

Para sua informação, o arquipélago dos Açores teve apenas 146 casos de infeção por covid-19 e 16 mortes!

Quinta-feira, 14 de maio de 2020: proibição de entrar em Portugal por estrada…

Portugal acaba de alargar o período de encerramento das fronteiras com a Espanha até 15 de junho, mas continua aberto (no lado português) ao transporte de mercadorias, trabalhadores transfronteiriços e todos aqueles que têm a sua residência principal em Portugal ou com nacionalidade portuguesa.

O único problema é que a Espanha acabou de aprovar um decreto que exige que qualquer pessoa que atravesse a fronteira espanhola (vinda de França ou de Portugal) faça uma quarentena obrigatória de 14 dias, mesmo que esteja apenas de passagem para entrar em Portugal ou de partida para o seu país.

Isso significa que a partir de amanhã, 15 de maio e enquanto o estado de emergência estiver em vigor, ninguém poderá entrar em Portugal por estrada sem fazer uma quarentena de 14 dias em Espanha (exceto os trabalhadores transfronteiriços, de transporte de mercadorias, de saúde e de transporte aéreo).

O estado de emergência está em vigor em Espanha até 24 de maio, mas sem dúvida que será alargado. Alguns dizem (imprensa portuguesa) que esta medida será mantida até ao início de julho.

Informação importante (atualização): qualquer pessoa que tenha a sua residência principal em Portugal ou num país da UE, pode passar pela Espanha para chegar a sua casa, desde que possua documentos comprovativos que demonstrem isso. Se não for cidadão português, convido-o a consultar o site da sua embaixada em Portugal ou a embaixada portuguesa no seu país.

Os portugueses que estão no exterior e têm a sua residência principal em Portugal também podem passar pela Espanha, mas, antes de fazer isso, sugiro que entre em contacto com o consulado ou embaixada portuguesa no país em que você está.

Para quem deseja vir a Portugal nos próximos dias, terá de o fazer de avião.

Atualmente, existem muito poucos voos a servir os aeroportos portugueses, mas, nos próximos dias, as companhias aéreas expandirão a sua oferta.

Quando escrevi estas linhas, os viajantes que chegam a Portugal não precisam de passar por quarentena obrigatória (exceto aqueles que desejam ir aos arquipélagos da Madeira ou dos Açores).

Se não tiver um motivo urgente, não recomendo que venha a Portugal nos próximos dias.

Numa das minhas últimas mensagens, aconselhei-o a não visitar Portugal antes de 15 de junho. Desta vez, vou um pouco mais longe e aconselharei a que venha de férias para Portugal somente a partir de julho.

Os países europeus estão a preparar-se para receber turistas nos meses de julho e agosto, então espere um pouco mais para que os países da União Europeia estejam de acordo e para que tenhamos regras claras.

Com a situação atual, aconselho a que não reserve as suas férias, mesmo para o mês de julho e agosto. Pela primeira vez, aconselho-o a fazer a sua reserva apenas alguns dias antes da sua partida.

Como as coisas mudam rapidamente e até que hajam regras claras, é provável que você tenha de reagendar as suas férias.

Mesmo que a União Europeia tenha esclarecido ontem que os viajantes têm o direito a ser reembolsados ​​em caso de cancelamento das suas reservas, na realidade, o que lhe é oferecido é um vale para usar até ao final de 2021.

Para maior segurança, não reserve nada enquanto aguarda novas informações.

A boa notícia é que a situação está a melhorar dia após dia em Portugal. Existem apenas 692 pessoas hospitalizadas por causa da covid-19, 103 pessoas em cuidados intensivos e o número de mortes por dia é, em média, de 15 pessoas, com um total de 1175 mortes desde o início da pandemia.

Portugal está a preparar-se para que todos possam visitar as suas maravilhas em segurança. A partir de 18 de maio, muitos locais turísticos reabrirão com novas normas de segurança (pode ler a minha mensagem de 1 de maio, abaixo), como usar uma máscara obrigatória e limitar as pessoas dentro de cada estabelecimento.

A entidade que tutela o turismo em Portugal criou o selo “Clean & Safe”, que será concedido a todas as empresas relacionadas com o turismo (restaurantes, hotéis, etc.) que cumpram todas as normas de segurança recomendadas pelos especialistas portugueses em saúde pública.

Todos devemos ser pacientes e esperar mais algumas semanas, mas é para o bem de todos!

Informação: se já reservou a sua estadia em Portugal e se está agendada para julho, não precisará de cancelar, porque existe uma boa probabilidade (eu diria 90 %) de que possa vir e descobrir Portugal.

Se a sua estadia estiver prevista para o final de maio ou o mês de junho, verifique se o seu voo é mantido (entre em contacto diretamente com a companhia aérea) e se o seu alojamento está aberto durante a sua estadia. Nesse caso, poderá visitar Portugal.

Sexta-feira, 1 de maio de 2020: fim do confinamento + abertura da economia

Ontem, 30 de abril, o primeiro-ministro português apresentou ao país novas regras de vida que começarão no dia 4 de maio.

Como esperado, em 2 de maio, o estado de emergência não será renovado e estamos a dar um passo em frente com a declaração do estado de calamidade pública. O governo ainda terá “superpoderes”, mas a população já não terá restrições tão rígidas.

Um plano para abrir gradualmente a economia foi apresentado com intervalos de 15 dias (4 de maio, 18 e 1 de junho).

A flexibilidade ocorrerá a cada 15 dias, se as condições de saúde pública assim o permitirem. Os hospitais têm 4000 camas (o limite a partir do qual o sistema de saúde fica saturado) para acomodar pacientes com covid-19.

Atualmente, existem menos de 1000 pessoas com coronavírus nos hospitais portugueses. Com o desconfinamento, há uma boa possibilidade de que esse número aumente, mas enquanto o sistema português puder receber pacientes, a flexibilização continuará para que a economia possa retomar.

Se o número de pessoas doentes internadas nos hospitais se aproximar do limite de 4000 lugares, o primeiro-ministro não hesitará em recuar e voltar a pôr o país em confinamento.

Para impedir que isso aconteça, o governo estabeleceu um plano de abertura faseado de 15 dias e novas regras para as pessoas. Aqui estão elas:

4 de maio:

  • Abertura de todas as lojas com área inferior a 200 m2
  • Cabeleireiros, esteticistas e similares com marcações
  • Revendedores de automóveis
  • Serviços públicos (impostos, etc.) com marcações
  • Possibilidade de praticar desportos ao ar livre individuais (ténis, golfe) sem possibilidade de usar as piscinas e os balneários
  • Os lugares disponíveis no transporte público serão limitados a 2/3 da capacidade total
  • O teletrabalho deve continuar em todas as empresas, sempre que possível

18 de maio:

Além das aberturas em 4 de maio, a partir de 18 de maio, podem abrir:

  • Lojas com área inferior a 400 m2 (ou apenas 400 m2 da área total, se a loja tiver uma área maior)
  • Restaurantes, cafés, pastelarias e esplanadas, mas não podem acomodar mais do que 50 % dos clientes regulares (número de lugares dividido por 2)
  • Bibliotecas e arquivos
  • Museus, monumentos, palácios, galerias de arte e similares (com um número limitado de visitantes ao mesmo tempo)
  • Escolas secundárias para o 11º e 12º anos (os outros continuam os estudos em casa)
  • Creches
  • Cerimónias religiosas (missa , etc.) com um número limitado de pessoas para manter o distanciamento social
  • 30-31 de maio: jogos da Primeira Liga de Futebol e da Taça de Portugal sem público nos estádios

1º de junho:

  • Todas as lojas dos centros comerciais
  • Cinemas, teatros, salas de concerto com número reduzido de pessoas
  • Lojas do cidadão (local onde os portugueses resolvem problemas administrativos, como a renovação do cartão do cidadão)

Regras gerais:

  • Confinamento obrigatório para todas as pessoas com covid-19
  • Dever cívico de não sair de casa sem razão (não é uma obrigação, mas o governo deseja que os portugueses saiam de casa somente quando necessário)
  • Proibir reuniões de mais de 10 pessoas (mesmo com distanciamento social)
  • Possibilidade de comparecer ao funeral de um membro da família
  • Nas lojas, há um limite de 5 clientes por 100m2 de superfície
  • Distância social de 2 metros
  • Obrigação de usar máscaras em transportes públicos, escolas, lojas e outros locais fechados (são aplicadas multas de 120 a 350 euros por não conformidade com o uso da máscara nos transportes públicos – por enquanto sem multas previstas para outras situações)
  • A população poderá comprar máscaras em lojas como supermercados ou em farmácias
  • As empresas devem seguir regras rígidas de higiene para os seus funcionários e clientes

Informações importantes: até ao momento não há data para a abertura de bares, discotecas, pavilhões desportivos e praias (autorização apenas para quem realiza atividades náuticas como surfistas).

Podemos começar a reservar as nossas férias para este verão?

Se as coisas continuarem na direção certa, será possível visitar novamente Portugal (com as regras mencionadas acima, como o uso de máscaras e o respeito pelo distanciamento social).

Os alojamentos (hotéis, apartamentos / pensões) começarão a ser abertos alguns em maio, outros em junho e julho, com regras ainda a serem definidas.

(Não aconselho ninguém a visitar Portugal antes de 15 de junho. É melhor ver como as coisas vão correr nos primeiros dias de desconfinamento e como as novas regras serão aplicadas.)

Pode começar a reservar as suas férias a partir de meados de junho, mas consulte a política de cancelamento de cada reserva.

Escolha sempre as empresas (alojamentos, aluguer de carros, atividades) que oferecem cancelamento gratuito até alguns dias antes da sua chegada.

Assim, se as coisas piorarem, você poderá recuperar o seu dinheiro facilmente. Caso contrário, a empresa oferecerá um voucher para usar até 31 de dezembro de 2021.

Informações: neste momento, acabámos de exceder 1000 mortes por coronavírus (1007) e mais de 1647 pessoas recuperadas, de um total de 25 351 casos confirmados.

Existem 892 pessoas hospitalizadas, incluindo 154 em cuidados intensivos.

Espero que essas boas notícias continuem, para que nos aproximemos cada vez mais de uma vida “normal”.

Segunda-feira, 27 de abril de 2020: proibição de deixar o seu município de residência + mensagem pessoal

Para evitar uma correria da população para o interior do país, para a sua segunda habitação ou para o litoral, o governo português decidiu limitar as viagens entre os municípios durante o fim de semana longo do feriado de 1 de maio (de sexta-feira 1 a domingo 3 de maio). Portanto, será proibido deixar o seu município de residência, exceto para ir trabalhar ou por motivos de saúde. Durante esses três dias, para sair do seu município de residência, precisará de uma declaração que justifique o movimento entre os municípios.

O governo tomou essa decisão, porque nos últimos dias houve um relaxamento cada vez mais visível, após as boas notícias e informações sobre o desconfinamento programado para maio.

No início de maio, atualizarei este artigo novamente, com as novas regras de vida (desconfinamento gradual, abertura de determinadas lojas, fim do estado de emergência, etc.).

Pequena mensagem pessoal: no último sábado, 25 de abril, uma data perfeitamente normal para muitos, mas para Portugal e para os portugueses essa data lembra-nos que a luta pela liberdade é feita todos os dias.

Foi apenas há 46 anos (1974) que um golpe de estado organizado pelo exército português derrubou a ditadura que durou desde os anos 30 do século XX.

Este ano não pudemos comemorar esta data importante na rua, mas o espírito do 25 de abril esteve presente entre todos os portugueses que foram à janela para cantar “Grândola Vila Morena”, a música que deu início à revolução.

Com “apenas” 32 anos, tenho sorte de não ter passado por esse período sombrio, mas quando ouço “Grândola Vila Morena”, não posso deixar de me emocionar. As lágrimas formam-se pouco a pouco, até que escorrem pelo meu rosto…

Neste momento difícil, temos uma pequena ideia do que é viver numa ditadura.

Pensamos erradamente que tudo o que foi adquirido nunca será perdido…

Nunca se esqueça: a liberdade não é um dado adquirido, é uma batalha diária!

Viva a liberdade!

Sexta-feira, 17 de abril de 2020: prorrogação do estado de emergência + férias de verão

O presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, comunicou ontem ao país, numa mensagem televisionada, o alargamento do estado de emergência até 2 de maio (provavelmente a última prorrogação).

Até ao momento em que escrevi estas linhas, o decreto que define as novas regras para os próximos 15 dias ainda não foi publicado, mas posso dizer-lhe que as medidas serão um pouco mais flexíveis.

A proibição de deixar o seu concelho de residência já foi suspensa (ela só esteve em vigor no período da Páscoa) e o município de Ovar será libertado do confinamento obrigatório nos próximos dias.

Este afrouxamento das regras deve-se ao bom comportamento dos portugueses (poucas dezenas de pessoas foram presas pelo crime de desobediência), ao número “baixo” de pessoas hospitalizadas e mortas e também a motivos de natureza económica.

Mesmo que, em geral, as coisas corram melhor do que o esperado, ainda existem alguns percalços e pessoas que se esquecem que essas boas notícias podem mudar rapidamente se não cumprirmos as regras de segurança estabelecidas desde o início do pandemia.

Conheça um exemplo de mau comportamento que foi notícia em Portugal durante a Páscoa: como provavelmente saberá, Portugal é um país com tradições religiosas (católicas) muito enraizadas na sociedade, especialmente no norte de Portugal e, durante a Páscoa, uma das tradições é reunir a família, amigos e vizinhos em casa para receber o padre que leva Cristo na cruz. Essa cruz passa de pessoa em pessoa para ser beijada.

Algumas pessoas e até alguns padres tiveram a “excelente ideia” de manter a tradição, alguns na rua, outros em lares de idosos, esquecendo as regras de segurança como o isolamento social.

Aqui está um vídeo publicado pelo jornal português JN.pt que mostra um pouco o que aconteceu: https://www.jn.pt/local/videos/fieis-filmandos-a-beijar-a-cruz-durante-a -pascoa-em-barcelos-12062334.html

Mesmo que 95 % da população tenha seguido as regras, eu ainda quero falar sobre esses poucos casos, para mostrar que não está tudo bem em Portugal e que não há milagre português, como sugerem alguns jornais estrangeiros.

De facto, o verdadeiro milagre foram os políticos portugueses (governo e presidente) que tiveram a coragem de tomar medidas restritivas quando ainda havia poucas pessoas com a covid-19 e todos os partidos políticos que aprovaram as medidas, esquecendo os seus interesses pessoais pela primeira vez.

A população também entendeu muito bem que, se não respeitássemos as regras, as consequências seriam dramáticas, em grande parte por causa da fragilidade do nosso sistema de saúde, que está subfinanciado desde a crise financeira de 2008.

Graças a essas medidas, no momento em que escrevi estas linhas existiam “apenas” 657 mortes por coronavírus, uma média de 64 mortes por 1 milhão de habitantes.

Se as coisas continuarem na direção certa, a partir de maio, Portugal começará a abrir muitos serviços e lojas locais para pôr a economia a funcionar.

Essas aberturas serão feitas com rigorosas medidas de segurança, para que o vírus continue a espalhar-se lentamente. Farei uma atualização assim que conhecermos as novas regras.

Eis uma pergunta que tenho recebido muitas vezes dos meus leitores: podemos começar a reservar as nossas férias em Portugal para este verão?

Atualmente, as fronteiras terrestres portuguesas estão fechadas até 14 de maio e os voos para Portugal são permitidos apenas a partir do Espaço Schengen ou de países com forte presença da comunidade portuguesa.

Mesmo que as fronteiras sejam abertas após 14 de maio, não o aconselho a reservar as suas férias ou vir até Portugal até que tenhamos datas precisas para a reabertura de locais turísticos, restaurantes e hotéis.

O estado português criará nas próximas semanas novas regras de segurança para que os estabelecimentos turísticos possam reabrir.

Na minha opinião, além da limitação do número de pessoas presentes em cada local (restaurantes, hotéis, etc.) e novos padrões de higiene, há uma boa possibilidade para que o uso de uma máscara venha a ser obrigatório.

Assim que houver algo novo, dir-lhe-ei (neste artigo e por e-mail) para que possa agendar as suas férias.

Mesmo que este conselho vá contra os meus interesses financeiros, acima de tudo, não quero que perca o seu dinheiro, mas sim que tenha umas férias maravilhosas em Portugal!

Até que possa reservar a sua estadia em Portugal, não hesite em ler os meus artigos para escolher os lugares a visitar e começar a planear os seus roteiros.

Assim que as coisas melhorarem, tudo o que precisará de fazer é reservar os bilhetes de avião, hotéis, aluguer de carros e atividades.

Coragem nesta situação inédita! Estamos a começar a ver a luz ao fundo do túnel!

Sábado, 4 de abril de 2020: prorrogação do estado de emergência + medidas mais rigorosas

Quinta-feira passada, o Presidente da República Portuguesa prolongou o estado de emergência em Portugal pelos próximos 15 dias (3 a 17 de abril) e deu ao governo poderes ainda mais importantes, como a regulação de preços, para combater a especulação.

Conheça, de seguida, as novas regras de vida em Portugal até 17 de abril:

Confinamento obrigatório em casa ou num estabelecimento de saúde de qualquer pessoa afetada pelo covid-19 ou SARS-Cov2, bem como por pessoas suspeitas. O não cumprimento deste confinamento será considerado um crime de desobediência.

Pessoas com mais de 70 anos devem ficar em casa o máximo possível e sair apenas quando for absolutamente necessário (comprar comida, resolver problemas de saúde, ir ao banco, correios, seguradora ou levar o seu animal de estimação à rua). Esta regra não se aplica a pessoas que trabalhem no setor da saúde, forças de segurança, políticos e magistrados.

Todas as outras pessoas podem sair de casa, mas devem ter uma justificação válida. Fazer turismo, ir à praia, obviamente, não são coisas que possamos fazer.

Período da Páscoa: entre os dias 9 e 13 de abril, em todo o país, é proibido deixar o seu município de residência, exceto para ir trabalhar ou por motivos de saúde. Durante esses 5 dias, para deixar seu município de residência, precisará de uma declaração do seu empregador. Os aeroportos portugueses estarão fechados para voos comerciais.

Todas as empresas abertas ao público devem respeitar regras estritas para poder receber clientes (limitação do número de clientes dentro do estabelecimento, uma distância mínima de 2 metros entre cada pessoa e desinfetar tudo o que é afetado por clientes, como caixas registadoras, terminais de pagamento etc.).

Testemunho pessoal: mesmo que essa regra já estivesse presente nos outros decretos, só a partir de ontem (sexta-feira, 3 de abril) é que as empresas começaram a aplicar essas regras à risca. Quando fui às compras, vi essa mudança.

Deve-se esperar fora do estabelecimento a uma distância de pelo menos 1 metro e entrar apenas quando uma pessoa sai; as caixas são limpas com frequência, os terminais de pagamento são limpos entre cada cliente, há marcações no chão para manter a distância obrigatória entre cada pessoa e os operadores de caixa têm, finalmente, proteções.

Acho lamentável ter-se esperado 15 dias para aplicar essas regras, que já eram preconizadas quando o estado de emergência foi declarado em março. Isso prova que uma minoria de pessoas / empresas age apenas se forem forçados a fazê-lo por lei…

Além do período da Páscoa, o município de Ovar, perto de Aveiro, e todos os municípios de São Miguel nos Açores estão em confinamento obrigatório, o que significa que as pessoas só podem entrar ou sair apenas em casos de necessidade absoluta (trabalho, motivos de saúde, etc.).

Para concluir esta atualização, gostaria de informá-lo de que atualmente existem (sábado, 4 de abril) 10 524 pessoas afetadas pelo coronavírus (casos confirmados), 266 pessoas morreram, 75 pessoas recuperaram e mais de 80 000 pessoas são suspeitas de estarem infetadas com o vírus.

Segunda-feira, 30 de março de 2020: Portugal excede o número simbólico de 100 mortes devido ao coronavírus

Neste fim de semana, Portugal ultrapassou a barreira simbólica dos 100 mortos (140 quando escrevi estas linhas) como resultado de uma infecção por covid-19. Esse número pode parecer irrisório, principalmente se compararmos com o nosso país vizinho, mas não devemos esquecer que temos apenas 10 milhões de habitantes.

Se Portugal tivesse o mesmo número de habitantes que a França, o número de mortes seria à volta de 840. Observando o número de mortes na França (2606 – no momento em que escrevi estas linhas), podemos dizer que a situação em Portugal é muito melhor, exceto que a crise da saúde começou muito mais cedo na França (primeiro caso de covid-19 em 23 de janeiro) do que em Portugal (primeiro caso em 1 de março).

Tudo isto para dizer que a situação vai piorar nos próximos dias e que o pico da pandemia em Portugal não chegará até maio (o governo português até prevê o pico para final do mês de maio).

A gravidade da situação foi entendida pela grande maioria da população portuguesa, mas alguns continuam a não querer entender a perigosidade dos seus atos…

Mesmo que toda a população pareça ficar em casa, a realidade é um pouco diferente. Muitas pessoas ainda fazem refeições em família (refiro-me à família que não mora connosco), há até uma espécie de êxodo de parte da população em direção ao interior do país (o melhor a fazer para propagar vírus para uma população idosa) para estarem supostamente “em segurança” ou simplesmente para usarem a habitação secundária, maior do que os apartamentos da cidade.

Para limitar este fenómeno, a polícia fez verificações no sábado passado em todos os veículos que queriam deixar Lisboa em direção ao sul do país atravessando a ponte de 25 de abril, bem como na estrada principal (A1) que liga Lisboa ao Porto.

A polícia obrigou muitos condutores a inverterem a marcha e só deixou passar aqueles que tinham justificações válidas.

Por enquanto, Portugal conta com a boa vontade da população para seguir os conselhos do governo, mas se esses fenómenos continuarem, há uma boa probabilidade de que cheguemos a regras muito mais rigorosas como noutros países europeus (Espanha, França, Itália).

Opinião pessoal: com o atraso do pico da pandemia (o que é perfeito para não sobrecarregar hospitais), a crise da saúde pode durar muitos meses. Após os novos dados, não acho que a situação melhore até 15 de junho (espero sinceramente estar errado…).

Quando o pico da pandemia for atingido e os estados começarem a suavizar as regras de vida, teremos que controlar o vírus para não haver uma segunda vaga a chegar algumas semanas depois e ficarmos em isolamento (o que seria desastroso em termos de saúde, mas também para a economia de cada país).

Na minha opinião, após este primeiro confinamento, teremos que nos acostumar com novas regras de vida comunitária. Todos terão que usar máscaras (sim, máscaras são úteis para conter o vírus, desde que toda a população esteja equipada), e devem realizar-se testes em todos os casos suspeitos para isolar os casos positivos da restante população.

Só vejo essas duas soluções para evitar um novo isolamento generalizado e para que a vida volte ao “normal”.

A situação é e será difícil nas próximas semanas, mas não sejamos superados por esta atmosfera mórbida. Aproveite este período para falar muito com as pessoas que ama (via internet ou telefone), leia, exercite-se, prepare-se para o pós-crise e limite as informações negativas (uma vez por dia é suficiente para que esteja ciente do que está a acontecer ao seu redor).

Vamos fazer o possível para limitar a propagação deste vírus. Façamos isso por nós mesmos e pelos outros!

Lembre-se, as nossas ações podem matar ou salvar vidas. Cabe-nos saber o que queremos!

Quarta-feira, 25 de março de 2020: mensagem urgente para caravanistas

Após o anúncio das medidas a serem aplicadas durante o estado de emergência (veja abaixo o que escrevi na sexta-feira, 20 de março), o governo português publicou um decreto neste domingo com todas as novas regras de vida em Portugal.

Uma das medidas tomadas é o encerramento de todos os parques de campismo e áreas de serviço de autocaravanas. Desde segunda-feira, dia 23, os parques de campismo e áreas de serviço estão proibidos de receber novas pessoas e todos os que estão lá devem sair, no máximo, até sexta-feira, dia 27 de março.

A única exceção são as pessoas que têm residência permanente (declarada antes do estado de emergência) num desses parques de campismo e que não têm outro lugar para morar.

Os caravanistas que não têm residência permanente em Portugal têm 3 opções:

Sair com a sua autocaravana em direção ao país de origem (Espanha, França, Suíça, Bélgica, etc.).

Deixar a autocaravana em Portugal e voltar de avião. Se escolher esta opção, aconselho-o a entrar em contacto com as autoridades locais (Câmara Municipal, GNR ou PSP) da localidade em que se encontra para descobrir onde pode deixar a sua autocaravana.

Ficar em Portugal. Ainda assim, muitas pessoas decidem ficar em Portugal, porque a situação é melhor (no momento em que estas linhas foram escritas) do que noutros países, ou porque elas não desejam conduzir por muitas horas (geralmente mais de 16 horas de autocaravana) para chegar a casa, atravessar a Espanha na situação atual ou até mesmo para não deixarem a autocaravana em Portugal.

Para todos os que ficam em Portugal, aconselho que aluguem uma casa (pode fazer a sua pesquisa em Booking.com ou no Airbnb) ou um terreno privado (veja abaixo) onde podem estacionar a sua autocaravana pelos próximos 2 meses.

Acima de tudo, não faça campismo selvagem (estacionar a sua autocaravana em locais não autorizados), porque as autoridades começarão a atuar (como nos países vizinhos) assim que a situação piorar.

Nesta situação delicada, e para que a situação não se torne ainda mais complicada, sugiro que mantenha a calma, escolha a melhor solução para a sua situação e, acima de tudo, siga as instruções das autoridades.

Para ajudar caravanistas que não têm para onde ir nesta situação difícil, o canal do YouTube Voyage à Plein Temps decidiu criar um mapa de solidariedade onde aqueles que têm algum terreno disponível podem oferecê-lo a pessoas em dificuldade.

Atualmente, a maioria das ofertas de ajuda está na França, mas espero sinceramente que haja pessoas em Portugal que possam ajudar caravanistas que não têm para onde ir.

Para ajudar ou pedir ajuda, convido-o a clicar aqui.

Sexta-feira, 20 de março de 2020: aplicação do estado de emergência

Após a declaração do estado de emergência, na quarta-feira, pelo presidente da república, ontem ao final do dia, o primeiro-ministro definiu as novas regras de vida em Portugal para os próximos dias:

  • Qualquer pessoa que tenha testado positivo para covid-19 ou esteja sob vigilância está agora em quarentena obrigatória (em casa ou no hospital). O não cumprimento da quarentena é considerado um crime de desobediência.
  • Todas as pessoas que não apresentem sintomas não estão em quarentena obrigatória, mas devem permanecer o máximo de tempo possível em casa e sair apenas quando necessário (trabalhar, fazer compras, ir à farmácia, levar o animal de estimação à rua), respeitando o distanciamento social (distância mínima de 1 metro entre cada pessoa). Nesta primeira fase, o governo não quis forçar a população a entrar em quarentena obrigatória, porque os portugueses ficaram voluntariamente em quarentena (palavras do primeiro-ministro).
  • Todas as empresas de atendimento ao público serão fechadas (restaurantes, bares, cabeleireiros, etc.), exceto padarias, mercearias, supermercados, bombas de gasolina, farmácias, quiosques e todas as empresas que vendam produtos e ofereçam serviços essenciais à população, como bancos ou correios.
  • Os restaurantes podem continuar em funcionamento mas somente para entregar comida em casa ou para take away.
  • Os centros comerciais encerram as portas, mas os supermercados que aí se encontram continuarão abertos.
  • Todas as empresas que não são de atendimento ao público devem continuar as suas atividades normalmente (melhorando as condições sanitárias para proteger os seus funcionários), exceto nos municípios onde foi decretado o estado de calamidade pública (é o caso do município de Ovar, perto de Aveiro, onde foram relatados vários casos de covid-19).
  • Todos os serviços públicos serão fechados ao público (funcionários públicos trabalharão por teletrabalho). Estes serviços podem ser contactados por telefone ou pela internet e, se necessário, pode marcar um horário de atendimento.
  • Nos transportes públicos, o número de lugares será reduzido para respeitar o distanciamento social.

Nesta primeira fase, a polícia terá um papel pedagógico, mas se a população não respeitar as instruções, haverá um endurecimento das regras e multas!

Informações de última hora: a partir da próxima semana, todas as pessoas que chegarem a Portugal estarão em quarentena obrigatória por 14 dias.

Além das novas regras de vida mencionadas acima, eis as outras que ainda são válidas:

  • Fronteiras fechadas entre Portugal e Espanha (exceto mercadorias e trabalhadores fronteiriços) – se morar no estrangeiro, poderá sair de Portugal para poder voltar a casa.
  • Proibição de voos entre aeroportos de Portugal, Itália e China.
  • Proibição de desembarque de passageiros de navios de cruzeiro.
  • Proibição de consumo de álcool na rua.
  • Encerramento de todas as escolas, universidades, museus.
  • Todas as lojas, supermercados, centros comerciais e farmácias devem limitar o número de clientes simultaneamente. Será preciso esperar à entrada de cada estabelecimento que o número de clientes diminua para poder entrar.
  • Enquanto se espera por entrar numa empresa, banco, etc., deve-se deixar um espaço mínimo de um metro entre cada pessoa.
  • Os serviços públicos (impostos, renovação do cartão do cidadão, passaporte, etc.) atendem apenas em caso de emergência (deve marcar um atendimento em https://eportugal.gov.pt/ ou ligar para 300 003 990 (pessoas físicas) ou 300 003 980 (empresas)).
  • Se possui passaporte, cartão de cidadão, carta de condução portuguesa ou certificado de residência em Portugal com uma data de validade que termina a partir de 9 de março de 2020, não vá renová-los. Eles permanecem válidos até 30 de junho.
  • Açores e Madeira: qualquer pessoa que chegue a um destes arquipélagos ficará em quarentena por 14 dias para reduzir o risco de contaminação da população local.

Mensagem importante: ainda vejo muitas pessoas a encarar esta pandemia de ânimo leve (em Portugal e noutros países), mas se não ficarmos confinados em casa e não respeitarmos o distanciamento social, dirigimo-nos a passos largos para um desastre humanitário…

Depois da Itália, é a vez da Espanha deixar muitos pacientes morrerem devido à falta de espaço e equipamento hospitalar. Atualmente, está a praticar-se uma medicina de guerra!

Vamos fazer de tudo para salvar vidas, ficar em casa o máximo de tempo possível, evitar o contacto social e deixar que as autoridades nos ajudem!

Não espere até que haja milhares de mortos para perceber o problema.

Mensagem positiva do Turismo Centro de Portugal:

Como uma enfermeira disse: aplaudir o pessoal hospitalar todas as noites é bom, mas seguir as instruções é melhor!

Se tiver sintomas (febre, tosse) que possam indicar que tem covid-19, ligue para (se você estiver em Portugal) 808 24 24 24.

Se tiver sintomas (febre, tosse) que possam indicar que tem covid-19, ligue (se estiver em Portugal) 808 24 24 24.

Se tiver nacionalidade portuguesa e tiver dificuldades em regressar a Portugal, envie um email a explicar a sua situação para este endereço eletrónico: covid19@mne.pt ou ligue para 00351 217 929 755.

Se estiver em Portugal e tiver dificuldades para voltar para casa (para o seu país), convido-o a ligar para o consulado ou embaixada do seu país em Portugal.

Quarta-feira, 18 de março de 2020: Portugal está em estado de emergência pelo menos durante 2 semanas

Ao final do dia, o Presidente da República Portuguesa declarou o estado de emergência até 2 de abril (renovável). Hoje, acabamos de dar um novo passo na luta contra este vírus. O objetivo é retardar a sua disseminação, tanto quanto possível, para não saturar os hospitais portugueses mas, acima de tudo, salvar vidas.

Nas próximas horas, o governo português informará o povo português das novas regras de vida em Portugal.

Enquanto isso, aqui estão as principais linhas que o estado de emergência permite:

  • Presidente da República admite internamento compulsivo em domicílio ou estabelecimentos de saúde
  • Admite restrições à circulação na via pública
  • Proposta prevê a requisição civil de imóveis, unidades comerciais, industriais e outras empresas
  • Propõe a requisição civil de unidades de saúde privadas e sociais
  • Poderá ser decretada a requisição de profissionais públicos e privados dos setores da saúde, proteção civil, segurança e defesa
  • Fica suspenso o direito à greve
  • Podem ser impostas restrições à liberdade de culto

Fonte: SIC Noticias

Além disso, o governo português criou um site: https://covid19estamoson.gov.pt/ para responder a todas as perguntas dos Portugueses.

Para quem não fala português, o governo traduziu este documento em 19 idiomas: https://drive.google.com/drive/folders/1QeKaeGbajcbRHdsPvQADSIjE7VuSbHFA

Segunda-feira, 16 de março de 2020: Portugal está em alerta até 9 de abril

  • Fronteiras fechadas entre Portugal e Espanha (exceto mercadorias e trabalhadores fronteiriços) – se morar no estrangeiro, poderá sair de Portugal para poder voltar a casa.
  • Proibição de voos entre aeroportos de Portugal, Itália e China.
  • Proibição de desembarque de passageiros de navios de cruzeiro.
  • Proibição de consumo de álcool na rua (fora de bares / esplanadas).
  • Encerramento de todas as escolas, universidades, museus, bares (a partir das 21:00) e discotecas.
  • Redução obrigatória de um terço de clientes para restaurantes e esplanadas para que haja um distanciamento social entre os clientes.
  • Todas as lojas, supermercados, centros comerciais e farmácias devem limitar o número de clientes simultaneamente. Será preciso esperar à entrada de cada estabelecimento que o número de clientes diminua para poder entrar.
  • Enquanto se espera por entrar numa empresa, banco, etc., deve-se deixar um espaço mínimo de um metro entre cada pessoa.
  • Os serviços públicos (impostos, renovação do cartão do cidadão, passaporte, etc.) permanecem abertos, mas atendem apenas em caso de emergência (deve marcar um atendimento em https://eportugal.gov.pt/ ou ligar para 300 003 990 (pessoas físicas) ou 300 003 980 (empresas)).
  • Se possui passaporte, cartão de cidadão, carta de condução portuguesa ou certificado de residência em Portugal com uma data de validade que termina a partir de 9 de março de 2020, não vá renová-los. Eles permanecem válidos até 30 de junho.
  • Açores e Madeira: qualquer pessoa que chegue a um destes arquipélagos ficará em quarentena por 14 dias para reduzir o risco de contaminação da população local.

Fonte: Governo Português: https://www.portugal.gov.pt/

Lutemos todos juntos, para que esta crise acabe o mais rápido possível!

Coragem!

Tiago

  • ponto situacao atual corona virus portugal
  • covid em portugal ponto da situação
  • situação da coronavírus em Portugal
  • quanto tempo durou o estado de emergência em portugal
  • covid situaçao atual