Informação: se já leu este artigo, vá diretamente para a seção “Coronavírus (Covid-19) em Portugal: ponto de situação” para obter as atualizações mais recentes.

Gostaria de não ter de escrever este artigo, mas sim falar sobre as maravilhas de Portugal ou dar-lhe conselhos de viagem, mas estamos a viver uma situação dramática (que a minha geração e a dos meus pais nunca conheceram), que torna impossível continuar a nossa vida como se nada estivesse a acontecer…

O vírus tomou conta da Europa com uma força incrível e o nosso continente tornou-se o epicentro desta guerra.

Até ao momento em que escrevi este artigo, ainda não tínhamos alcançado o pico de contaminação (previsto para abril), o que significa que o pior ainda está para vir.

Sei que desde o início nos disseram que o vírus é apenas uma gripe, mas as consequências serão muito piores que a gripe sazonal…

Embora 80 % da população que contrair o coronavírus (covid-19) tenha apenas sintomas leves (febre, tosse) como a gripe, é provável que casos mais graves morram por causa do vírus, falta de vagas em hospitais e equipamentos (por exemplo, ventiladores pulmonares).

Para se ter uma ideia do problema, há 3 camas hospitalares por 1000 habitantes em Portugal e esse número diminui um pouco mais quando falamos de cuidados intensivos.

Haverá casos cada vez mais graves e, se não fizermos nada, os médicos terão que escolher entre aqueles que tratam e aqueles que deixam morrer (foi o que aconteceu na Itália…).

O objetivo das medidas tomadas pelo nosso governo é evitar um grande número de casos de uma só vez, para que o pico de casos seja o mais baixo possível e que ganhemos tempo até as temperaturas começarem a subir (esperando que este vírus seja semelhante ao da gripe sazonal) e que seja encontrada uma vacina contra o Covid-19.

Pela primeira vez, nós, europeus, devemos ser responsáveis ​​e disciplinados, para que esta crise dure o menos possível.

Segundo alguns cientistas, o pico da pandemia ocorrerá entre meados e final de abril (pelo menos em Portugal), mas essas previsões são válidas apenas se seguirmos as instruções!

Na melhor das hipóteses, essa situação vai durar até maio e pode continuar se não mudarmos os nossos hábitos. Mesmo que não tenha medo deste vírus, pense em pessoas frágeis como os seus pais, avós, tios e tias.

Além desta crise de saúde, se hesitar em seguir as instruções, pensar no seu trabalho ou na sua empresa, porque se isto se prolongar, então enfrentaremos uma crise nunca antes vista!

Para acompanhar as estatísticas do coronavírus por país, clique aqui.

Coronavírus (Covid-19) em Portugal: ponto de situação

Vou colocar as instruções do governo português abaixo e, assim que elas mudarem, atualizo-as.

Adicione este artigo aos seus favoritos para ter as informações mais recentes sobre o progresso desta epidemia em Portugal.

Segunda-feira, 30 de março de 2020: Portugal excede o número simbólico de 100 mortes devido ao coronavírus

Neste fim de semana, Portugal ultrapassou a barreira simbólica dos 100 mortos (140 quando escrevi estas linhas) como resultado de uma infecção por covid-19. Esse número pode parecer irrisório, principalmente se compararmos com o nosso país vizinho, mas não devemos esquecer que temos apenas 10 milhões de habitantes.

Se Portugal tivesse o mesmo número de habitantes que a França, o número de mortes seria à volta de 840. Observando o número de mortes na França (2606 – no momento em que escrevi estas linhas), podemos dizer que a situação em Portugal é muito melhor, exceto que a crise da saúde começou muito mais cedo na França (primeiro caso de covid-19 em 23 de janeiro) do que em Portugal (primeiro caso em 1 de março).

Tudo isto para dizer que a situação vai piorar nos próximos dias e que o pico da pandemia em Portugal não chegará até maio (o governo português até prevê o pico para final do mês de maio).

A gravidade da situação foi entendida pela grande maioria da população portuguesa, mas alguns continuam a não querer entender a perigosidade dos seus atos…

Mesmo que toda a população pareça ficar em casa, a realidade é um pouco diferente. Muitas pessoas ainda fazem refeições em família (refiro-me à família que não mora connosco), há até uma espécie de êxodo de parte da população em direção ao interior do país (o melhor a fazer para propagar vírus para uma população idosa) para estarem supostamente “em segurança” ou simplesmente para usarem a habitação secundária, maior do que os apartamentos da cidade.

Para limitar este fenómeno, a polícia fez verificações no sábado passado em todos os veículos que queriam deixar Lisboa em direção ao sul do país atravessando a ponte de 25 de abril, bem como na estrada principal (A1) que liga Lisboa ao Porto.

A polícia obrigou muitos condutores a inverterem a marcha e só deixou passar aqueles que tinham justificações válidas.

Por enquanto, Portugal conta com a boa vontade da população para seguir os conselhos do governo, mas se esses fenómenos continuarem, há uma boa probabilidade de que cheguemos a regras muito mais rigorosas como noutros países europeus (Espanha, França, Itália).

Opinião pessoal: com o atraso do pico da pandemia (o que é perfeito para não sobrecarregar hospitais), a crise da saúde pode durar muitos meses. Após os novos dados, não acho que a situação melhore até 15 de junho (espero sinceramente estar errado…).

Quando o pico da pandemia for atingido e os estados começarem a suavizar as regras de vida, teremos que controlar o vírus para não haver uma segunda vaga a chegar algumas semanas depois e ficarmos em isolamento (o que seria desastroso em termos de saúde, mas também para a economia de cada país).

Na minha opinião, após este primeiro confinamento, teremos que nos acostumar com novas regras de vida comunitária. Todos terão que usar máscaras (sim, máscaras são úteis para conter o vírus, desde que toda a população esteja equipada), e devem realizar-se testes em todos os casos suspeitos para isolar os casos positivos da restante população.

Só vejo essas duas soluções para evitar um novo isolamento generalizado e para que a vida volte ao “normal”.

A situação é e será difícil nas próximas semanas, mas não sejamos superados por esta atmosfera mórbida. Aproveite este período para falar muito com as pessoas que ama (via internet ou telefone), leia, exercite-se, prepare-se para o pós-crise e limite as informações negativas (uma vez por dia é suficiente para que esteja ciente do que está a acontecer ao seu redor).

Vamos fazer o possível para limitar a propagação deste vírus. Façamos isso por nós mesmos e pelos outros!

Lembre-se, as nossas ações podem matar ou salvar vidas. Cabe-nos saber o que queremos!

Quarta-feira, 25 de março de 2020: mensagem urgente para caravanistas

Após o anúncio das medidas a serem aplicadas durante o estado de emergência (veja abaixo o que escrevi na sexta-feira, 20 de março), o governo português publicou um decreto neste domingo com todas as novas regras de vida em Portugal.

Uma das medidas tomadas é o encerramento de todos os parques de campismo e áreas de serviço de autocaravanas. Desde segunda-feira, dia 23, os parques de campismo e áreas de serviço estão proibidos de receber novas pessoas e todos os que estão lá devem sair, no máximo, até sexta-feira, dia 27 de março.

A única exceção são as pessoas que têm residência permanente (declarada antes do estado de emergência) num desses parques de campismo e que não têm outro lugar para morar.

Os caravanistas que não têm residência permanente em Portugal têm 3 opções:

Sair com a sua autocaravana em direção ao país de origem (Espanha, França, Suíça, Bélgica, etc.).

Deixar a autocaravana em Portugal e voltar de avião. Se escolher esta opção, aconselho-o a entrar em contacto com as autoridades locais (Câmara Municipal, GNR ou PSP) da localidade em que se encontra para descobrir onde pode deixar a sua autocaravana.

Ficar em Portugal. Ainda assim, muitas pessoas decidem ficar em Portugal, porque a situação é melhor (no momento em que estas linhas foram escritas) do que noutros países, ou porque elas não desejam conduzir por muitas horas (geralmente mais de 16 horas de autocaravana) para chegar a casa, atravessar a Espanha na situação atual ou até mesmo para não deixarem a autocaravana em Portugal.

Para todos os que ficam em Portugal, aconselho que aluguem uma casa (pode fazer a sua pesquisa em Booking.com ou no Airbnb) ou um terreno privado (veja abaixo) onde podem estacionar a sua autocaravana pelos próximos 2 meses.

Acima de tudo, não faça campismo selvagem (estacionar a sua autocaravana em locais não autorizados), porque as autoridades começarão a atuar (como nos países vizinhos) assim que a situação piorar.

Nesta situação delicada, e para que a situação não se torne ainda mais complicada, sugiro que mantenha a calma, escolha a melhor solução para a sua situação e, acima de tudo, siga as instruções das autoridades.

Para ajudar caravanistas que não têm para onde ir nesta situação difícil, o canal do YouTube Voyage à Plein Temps decidiu criar um mapa de solidariedade onde aqueles que têm algum terreno disponível podem oferecê-lo a pessoas em dificuldade.

Atualmente, a maioria das ofertas de ajuda está na França, mas espero sinceramente que haja pessoas em Portugal que possam ajudar caravanistas que não têm para onde ir.

Para ajudar ou pedir ajuda, convido-o a clicar aqui.

Sexta-feira, 20 de março de 2020: aplicação do estado de emergência

Após a declaração do estado de emergência, na quarta-feira, pelo presidente da república, ontem ao final do dia, o primeiro-ministro definiu as novas regras de vida em Portugal para os próximos dias:

  • Qualquer pessoa que tenha testado positivo para covid-19 ou esteja sob vigilância está agora em quarentena obrigatória (em casa ou no hospital). O não cumprimento da quarentena é considerado um crime de desobediência.
  • Todas as pessoas que não apresentem sintomas não estão em quarentena obrigatória, mas devem permanecer o máximo de tempo possível em casa e sair apenas quando necessário (trabalhar, fazer compras, ir à farmácia, levar o animal de estimação à rua), respeitando o distanciamento social (distância mínima de 1 metro entre cada pessoa). Nesta primeira fase, o governo não quis forçar a população a entrar em quarentena obrigatória, porque os portugueses ficaram voluntariamente em quarentena (palavras do primeiro-ministro).
  • Todas as empresas de atendimento ao público serão fechadas (restaurantes, bares, cabeleireiros, etc.), exceto padarias, mercearias, supermercados, bombas de gasolina, farmácias, quiosques e todas as empresas que vendam produtos e ofereçam serviços essenciais à população, como bancos ou correios.
  • Os restaurantes podem continuar em funcionamento mas somente para entregar comida em casa ou para take away.
  • Os centros comerciais encerram as portas, mas os supermercados que aí se encontram continuarão abertos.
  • Todas as empresas que não são de atendimento ao público devem continuar as suas atividades normalmente (melhorando as condições sanitárias para proteger os seus funcionários), exceto nos municípios onde foi decretado o estado de calamidade pública (é o caso do município de Ovar, perto de Aveiro, onde foram relatados vários casos de covid-19).
  • Todos os serviços públicos serão fechados ao público (funcionários públicos trabalharão por teletrabalho). Estes serviços podem ser contactados por telefone ou pela internet e, se necessário, pode marcar um horário de atendimento.
  • Nos transportes públicos, o número de lugares será reduzido para respeitar o distanciamento social.

Nesta primeira fase, a polícia terá um papel pedagógico, mas se a população não respeitar as instruções, haverá um endurecimento das regras e multas!

Informações de última hora: a partir da próxima semana, todas as pessoas que chegarem a Portugal estarão em quarentena obrigatória por 14 dias.

Além das novas regras de vida mencionadas acima, eis as outras que ainda são válidas:

  • Fronteiras fechadas entre Portugal e Espanha (exceto mercadorias e trabalhadores fronteiriços) – se morar no estrangeiro, poderá sair de Portugal para poder voltar a casa.
  • Proibição de voos entre aeroportos de Portugal, Itália e China.
  • Proibição de desembarque de passageiros de navios de cruzeiro.
  • Proibição de consumo de álcool na rua.
  • Encerramento de todas as escolas, universidades, museus.
  • Todas as lojas, supermercados, centros comerciais e farmácias devem limitar o número de clientes simultaneamente. Será preciso esperar à entrada de cada estabelecimento que o número de clientes diminua para poder entrar.
  • Enquanto se espera por entrar numa empresa, banco, etc., deve-se deixar um espaço mínimo de um metro entre cada pessoa.
  • Os serviços públicos (impostos, renovação do cartão do cidadão, passaporte, etc.) atendem apenas em caso de emergência (deve marcar um atendimento em https://eportugal.gov.pt/ ou ligar para 300 003 990 (pessoas físicas) ou 300 003 980 (empresas)).
  • Se possui passaporte, cartão de cidadão, carta de condução portuguesa ou certificado de residência em Portugal com uma data de validade que termina a partir de 9 de março de 2020, não vá renová-los. Eles permanecem válidos até 30 de junho.
  • Açores e Madeira: qualquer pessoa que chegue a um destes arquipélagos ficará em quarentena por 14 dias para reduzir o risco de contaminação da população local.

Mensagem importante: ainda vejo muitas pessoas a encarar esta pandemia de ânimo leve (em Portugal e noutros países), mas se não ficarmos confinados em casa e não respeitarmos o distanciamento social, dirigimo-nos a passos largos para um desastre humanitário…

Depois da Itália, é a vez da Espanha deixar muitos pacientes morrerem devido à falta de espaço e equipamento hospitalar. Atualmente, está a praticar-se uma medicina de guerra!

Vamos fazer de tudo para salvar vidas, ficar em casa o máximo de tempo possível, evitar o contacto social e deixar que as autoridades nos ajudem!

Não espere até que haja milhares de mortos para perceber o problema.

Mensagem positiva do Turismo Centro de Portugal:

Como uma enfermeira disse: aplaudir o pessoal hospitalar todas as noites é bom, mas seguir as instruções é melhor!

Se tiver sintomas (febre, tosse) que possam indicar que tem covid-19, ligue para (se você estiver em Portugal) 808 24 24 24.

Se tiver sintomas (febre, tosse) que possam indicar que tem covid-19, ligue (se estiver em Portugal) 808 24 24 24.

Se tiver nacionalidade portuguesa e tiver dificuldades em regressar a Portugal, envie um email a explicar a sua situação para este endereço eletrónico: covid19@mne.pt ou ligue para 00351 217 929 755.

Se estiver em Portugal e tiver dificuldades para voltar para casa (para o seu país), convido-o a ligar para o consulado ou embaixada do seu país em Portugal.

Quarta-feira, 18 de março de 2020: Portugal está em estado de emergência pelo menos durante 2 semanas

Ao final do dia, o Presidente da República Portuguesa declarou o estado de emergência até 2 de abril (renovável). Hoje, acabamos de dar um novo passo na luta contra este vírus. O objetivo é retardar a sua disseminação, tanto quanto possível, para não saturar os hospitais portugueses mas, acima de tudo, salvar vidas.

Nas próximas horas, o governo português informará o povo português das novas regras de vida em Portugal.

Enquanto isso, aqui estão as principais linhas que o estado de emergência permite:

  • Presidente da República admite internamento compulsivo em domicílio ou estabelecimentos de saúde
  • Admite restrições à circulação na via pública
  • Proposta prevê a requisição civil de imóveis, unidades comerciais, industriais e outras empresas
  • Propõe a requisição civil de unidades de saúde privadas e sociais
  • Poderá ser decretada a requisição de profissionais públicos e privados dos setores da saúde, proteção civil, segurança e defesa
  • Fica suspenso o direito à greve
  • Podem ser impostas restrições à liberdade de culto

Fonte: SIC Noticias

Além disso, o governo português criou um site: https://covid19estamoson.gov.pt/ para responder a todas as perguntas dos Portugueses.

Para quem não fala português, o governo traduziu este documento em 19 idiomas: https://drive.google.com/drive/folders/1QeKaeGbajcbRHdsPvQADSIjE7VuSbHFA

Segunda-feira, 16 de março de 2020: Portugal está em alerta até 9 de abril

  • Fronteiras fechadas entre Portugal e Espanha (exceto mercadorias e trabalhadores fronteiriços) – se morar no estrangeiro, poderá sair de Portugal para poder voltar a casa.
  • Proibição de voos entre aeroportos de Portugal, Itália e China.
  • Proibição de desembarque de passageiros de navios de cruzeiro.
  • Proibição de consumo de álcool na rua (fora de bares / esplanadas).
  • Encerramento de todas as escolas, universidades, museus, bares (a partir das 21:00) e discotecas.
  • Redução obrigatória de um terço de clientes para restaurantes e esplanadas para que haja um distanciamento social entre os clientes.
  • Todas as lojas, supermercados, centros comerciais e farmácias devem limitar o número de clientes simultaneamente. Será preciso esperar à entrada de cada estabelecimento que o número de clientes diminua para poder entrar.
  • Enquanto se espera por entrar numa empresa, banco, etc., deve-se deixar um espaço mínimo de um metro entre cada pessoa.
  • Os serviços públicos (impostos, renovação do cartão do cidadão, passaporte, etc.) permanecem abertos, mas atendem apenas em caso de emergência (deve marcar um atendimento em https://eportugal.gov.pt/ ou ligar para 300 003 990 (pessoas físicas) ou 300 003 980 (empresas)).
  • Se possui passaporte, cartão de cidadão, carta de condução portuguesa ou certificado de residência em Portugal com uma data de validade que termina a partir de 9 de março de 2020, não vá renová-los. Eles permanecem válidos até 30 de junho.
  • Açores e Madeira: qualquer pessoa que chegue a um destes arquipélagos ficará em quarentena por 14 dias para reduzir o risco de contaminação da população local.

Fonte: Governo Português: https://www.portugal.gov.pt/

Lutemos todos juntos, para que esta crise acabe o mais rápido possível!

Coragem!

Tiago

  • ponto de situação atual em portugal mapa
  • ponto de situação covid
  • ponto de situação do coronavirus em espanha
  • portugal covid stats
  • Situaçao de portugal hoje coronavirus