Roteiro na maravilhosa cidade de Bragança, situada no norte de Portugal

Bragança

Recentemente parti à descoberta de mais algumas belas localidades do norte de Portugal: a linda aldeia de Gimonde e a maravilhosa cidade de Bragança. Esta cidade é sede de distrito e fica às portas do Parque Natural de Montesinho e a poucos quilómetros de Espanha.

Descobrir a aldeia de Gimonde

O meu roteiro pelo distrito mais a norte de Portugal, Bragança, começou na bonita aldeia de Gimonde. Esta aldeia com pouco mais de 300 habitantes está situada num local maravilhoso, por onde correm dois rios: o rio de Onor e o rio Sabor.

São vários os motivos que me levaram e levam os turistas a esta aldeia pitoresca durante todo ano: a simpatia dos habitantes, paisagens únicas, monumentos e também a fantástica gastronomia desta região, onde se destacam os maravilhosos produtos de fumeiro e as deliciosas compotas.

Rume a Gimonde, que fica apenas a uns 7 km de Bragança, e aproveite para relaxar e explorar esta magnífica localidade, tal como eu fiz. Passeei pelas pequenas ruas até chegar à igreja com uma vista privilegiada para o rio e encontrei um marco que assinala esta aldeia como um dos sítios de passagem dos famosos Caminhos de Santiago.

  • Localização: Rua da Costa, 5300-553, Gimonde, Bragança

Depois, desci em direção ao rio, onde fui encontrar uma bonita ponte romana totalmente feita em xisto e vi ao longe uma ponte granítica bem mais recente.

Entre estas duas pontes pude admirar uma pequena alpondra, ou poldra, que é basicamente uma fila de pedras dispostas sobre o rio.

Esta alpondra permitia, e ainda permite, a passagem dos habitantes duma margem para a outra margem do rio – eu tive a oportunidade de ver um casal de idosos fazer essa travessia sem quaisquer dificuldades, mas ainda assim preferi atravessar o rio pela ponte romana.

Foi em Gimonde que passei a noite e onde almocei e jantei no primeiro dia. Fiquei alojado num dos quartos da Casa da Mestra (link afiliado), do grupo A. Montesinho Turismo – uma casa rústica completamente restaurada e com tudo o que se pode pedir para uma noite bem passada, tanto em dias quentes como em dias frios.

Todos os quartos têm Wi-Fi disponível gratuitamente, WC privativo, ar-condicionado e acesso a uma cozinha comum devidamente equipada e a uma sala comum com lareira para os dias mais frios – foi sem dúvida uma noite bem passada!

As refeições foram feitas mesmo ao lado da Casa da Mestra, no afamado Restaurante Típico D. Roberto. Aqui pude experimentar os maravilhosos produtos de fumeiro como o chouriço e o presunto; as sobremesas também eram divinais – experimentei pudim de castanha e pudim de queijo.

Se quiser conhecer melhor a bonita aldeia de Gimonde, recomendo então que veja este pequeno vídeo:

Em terras de Bragança

Conhecida a aldeia de Gimonde, resolvi partir à descoberta da bonita cidade de Bragança e arredores – havia muito para ver e tinha pouco tempo.

Como não podia deixar de ser, resolvi começar a minha visita pelo fantástico castelo. O castelo de Bragança situa-se no centro histórico da cidade e perto das margens do rio Fervença e é considerado como um dos mais bonitos e bem preservados castelos portugueses.

Se quiser, pode deixar o carro no centro da cidade e fazer o caminho a pé até ao interior do castelo; caso não possa ou não queira, pode igualmente ir de carro até ao interior do castelo, onde terá lugar para estacionar. À semelhança do castelo de Óbidos, também o de Bragança tem uma cidadela para explorar.

A minha ideia inicial era visitar o interior da torre de menagem, contudo esta ia fechar para almoço pouco tempo depois, pelo que optei em conhecer a cidadela e fazer uma caminhada ao longo das muralhas do castelo.

Uma das coisas que tem que fazer é, sem dúvida, percorrer toda a extensão das muralhas pois terá a possibilidade de admirar bonitas paisagens, o rio Fervença, o parque e parte da cidade.

Um pormenor interessante das muralhas, para além dos seus dois metros de espessura, era o facto de terem sido construídas em xisto, uma das rochas mais abundantes na região. Esta característica também estava presente na torre de menagem e não só.

Depois de ter percorrido as muralhas resolvi descer para a cidadela onde procurei um sítio para almoçar – encontrei o restaurante Tasca do Zé Tuga. Recomendo uma refeição neste sítio pois fica na cidadela e porque é um restaurante que tira partido dos produtos de qualidade característicos da cidade de Bragança e da região transmontana.

Terminado o almoço, fui finalmente ao interior da torre de menagem. Esta imponente torre de 17 metros de largura e 34 metros de altura alberga o Museu Militar de Bragança, um dos museus militares mais completos do país.

Ao explorar o museu, que ocupa todo o interior da torre de menagem, encontrei várias peças militares de diferentes alturas, onde se destacam as peças originais das campanhas de África e ainda artigos da I Guerra Mundial.

Depois de visitar a bonita torre de menagem, fui conhecer a igreja de Santa Maria – uma igreja de estilo românico e considerado como sendo a igreja mais antiga de Bragança.

A seguir, fomos relaxar um pouco para o parque que tem perto do castelo, um sítio onde dá para fazer piqueniques e descansar das caminhadas pelas muralhas do castelo.

A minha visita a Bragança estava a terminar, sabendo que ficou muita coisa por ver, contudo ainda tinha tempo para me dirigir aos miradouros no recinto do santuário de São Bartolomeu.

O percurso até este santuário pode ser feito de carro, num trajeto que demora cinco minutos, ou, para os mais aventureiros, a pé, num percurso exigente de cerca de 2,7 km.

Chegado ao santuário de São Bartolomeu, fiquei imediatamente cativado pelas magníficas vistas que o miradouro que aí se situa me ofereceu. Depressa cheguei à conclusão de que as muralhas do castelo de Bragança se assemelhavam muito ao formato dum coração.

Este é igualmente um sítio perfeito para se descansar e fazer mesmo um piquenique pois há no recinto um parque de merendas.

Para terminar dirija-se a outro miradouro, a apenas uns 600 metros de distância do santuário. Este sítio, para além de oferecer umas magníficas vistas sobre a cidade e arredores, tem a particularidade de ter uma estátua de São Bento, o santo padroeiro de Bragança.

  • Localização: Estrada de São Bartolomeu, 5300, Bragança

Conclusão

Em suma, posso dizer que este roteiro que fiz pelo nordeste de Portugal foi muito enriquecedor – tive a oportunidade de descobrir a bonita aldeia de Gimonde, às portas do Parque Natural de Montesinho, e a linda cidade de Bragança, com o seu castelo, a cidadela, as suas ruas estreitas, os miradouros e muito mais!

Contudo, não posso terminar este artigo sem antes referir mais alguns sítios para visitar se tiver oportunidade.

Dentro do castelo, e para além de ir à torre de menagem e à igreja de Santa Maria, recomendo igualmente uma visita ao Museu Ibérico da Máscara e do Traje. Este museu dá a conhecer as tradições de muitas aldeias do nordeste transmontano.

Fora do castelo pode dirigir-se ao Museu do Abade do Baçal. Este museu é outro sítio que deve visitar pois tem uma vasta coleção de arte sacra, arqueologia e ourivesaria.

Finalmente, e se tiver oportunidade, não deixe de visitar o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, projetado pelo consagrado arquiteto Souto Moura. Aqui irá encontrar diversas exposições de artistas nacionais e internacionais, incluindo obras da pintora que deu nome a este centro.

Se quiser ficar a conhecer mais acerca destes e doutros sítios de Bragança, veja então este vídeo e deslumbre-se:

A nossa viagem a Bragança terminou mas a promessa de lá voltar ficou!

Vai visitar Bragança? Então não hesite em reservar o seu hotel ou o seu carro passando pelos links aqui em baixo. Vai-me permitir continuar a oferecer-lhe gratuitamente dicas e guias para visitar Portugal. Obrigado!

Reserve aqui o seu Hotel  Reserve aqui o seu carro

Também lhe vai interessar:

  • o que visitar em bragança
  • bragança o que visitar
  • visitar braganca
  • o que ver em Bragança
  • Bragança cidade portuguesa

Sobre Tiago

Tiago 30 anos de idade, parisiense desde os 12 anos, decidi partir para a aventura e realizar o meu sonho : conhecer o nosso país de uma ponta à outra. Acho que se não conhecemos as nossas origens não nos podemos conhecer realmente. Leia mais aqui